domingo, 24 de junho de 2012

Feliz Aniversário, pai...(In Memorian)


Hoje são 24 de Junho de 2012. Domingo.
O despertador tocou às 07:00 da manhã.
Acordei com uma sensação diferente. Estranha. Sabia que era um dia especial.
Na Terra, seria comemorado o dia do seu aniversário.
Estranha sensação, porque eu não poderia comemorar com você.
No cemitério, de pé e em frente à sua sepultura,
Observo que na lápide ainda não gravaram seu nome.
Comunicarei aos familiares.
Mas não me importo com nomes em pedras,
E sim que seu nome está gravado em meu coração.
Sensação estranha aquela, de estar ali em pé, olhando o gramado
Umedecido pela chuva do dia anterior, sem poder falar contigo.
Mas sentia que você, de alguma forma, me observava.
E me ouvia. Metafísico demais.
E imerso em profundas reflexões, viajo para dentro de mim.
Nos recônditos de meu ser, encontrei um vazio. Uma parte de mim que se foi contigo.
E até agora, nada preencheu. E nem nunca preencherá.
São tantas lembranças, incontáveis, não dá para enumerá-las aqui.
Alguns me chamam de guerreiro, pelo que passei quando internado
Durante um ano no Hospital por contas das complicações da cirurgia bariátrica.
Mas mal sabem eles que guerreiro mesmo foi o senhor,
Que em momentos de solidão, quando nem os amigos, nem os parentes
Para sempre na memória.
Estavam lá para me confortar, o senhor marcava presença, e com muita dor,
Devido às consequências da doença maligna que se apoderou de ti.
Você não tinha condições de me dar o melhor estudo, a melhor Faculdade, o melhor trabalho;
Mas me deu algo muito mais que isso: a prova que podemos ser bons, lutar contra o Mal.
E sobre Bondade, nunca vi nenhuma na Terra igual a sua.
Quando bati certa vez em meu cachorro,
O senhor me admoestou severamente: "Nunca mais faça isso, os cães também são de Deus", dizia.
Deus... o Eterno Incógnito!
Espero que você esteja com Ele nesse momento.
Os religiosos acreditam que vamos para um lugar melhor ao morrer.
Eu não posso afirmar isso, pois nunca morri e voltei pra contar.
Mas quem sou eu pra duvidar do Desconhecido...
Muitos se dizem cristãos, mas idolatram o Sistema Cristianismo.
Você era um verdadeiro exemplo de cristão:
Não suportava pastores (risos), não acredita em igrejas salvadoras, só acreditava (e praticava) o Bem.
E não era exatamente isso que o homem chamado Jesus ensinou?
Você amava o próximo de uma forma que eu nunca compreendi.
Nunca sentiu ódio de ninguém!
E nos dias de hoje, isso é quase inacreditável. Sempre aparece uma "alma penada"
Pra nos aborrecer.
O senhor era um homem bom. E os homens bons são superiores.
Então, se existe mesmo um Céu, tenho certeza que você está lá.
E se os Celestiais acharem que eu seja merecedor,
Um dia estarei também.
E por fim, nos encontraremos.
Ainda que uma fantasia, vivo nela. Acredito nela.
O mundo real tá complicado para se acreditar.
E se é verdade o que os religiosos dizem, que a Morte é só uma passagem de nível,
Então o senhor está bem vivo, ainda que em outra dimensão.
Então, se está vivo, deixo para ti, com muito carinho
E uma saudade imensa, o meu
Feliz Aniversário, pai.
Descanse em paz.

R. Benjamin.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Hermetismo

O Hermetismo ensina que existe uma Entidade transcendental que reúne todo o Universo, com todos os seres e elementos, incluindo os anjos. Esta Entidade Suprema ou Maior pode ser chamada de 'Deus', 'Tudo' ou 'Único'.
Surgiu ao lado do Gnosticismo, Neoplatonismo e Cristianismo primitivo, caracterizado por uma resistência ao domínio, seja da racionalidade pura ou da fé dogmática.
O absoluto é o foco central do Hermetismo, e em razão disto, fica difícil classificá-lo entre as crenças teístas tradicionais.
O símbolo do Hermetismo é o caduceu, bastão de ouro, com duas serpentes defrontadas e enroscadas em torno dele, sob um par de asas em que se termina a extremidade superior. Diz a Mitologia, que pertencia a Apolo e foi trocado por uma flauta, passando a ser o símbolo de Hermes ou Mercúrio, como emissário dos deuses, protetor dos rebanhos e condutor das almas.
Hermetismo é o conjunto de doutrinas e filosofia oculta e de magia, inspirados em escritos (tratados) atribuídos a Hermes Trismegisto, que significa 'Hermes Três Vezes Grande', uma divindade mitológica sincrética, pois também é identificado com o deus egípcio Toth, que simboliza a lógica organizada do universo.  São tratados que contêm os princípios teóricos e filosóficos da Hermética. Dentre as obras mais importantes estão 'Corpus Hermeticum' e 'Tabula Smaragdina'.
'Corpus Hermeticum', como é conhecido o conjunto de 17 livros, foi escrito entre os séculos segundo e terceiro da nossa era. Perdeu-se grande parte dos originais gregos e destes, só se conhece a tradução latina. São apresentados como uma série de diálogos entre Hermes e vários outros personagens. Fala da bondade de Deus, da purificação do espírito e defende práticas religiosas pagãs, como a veneração de imagens. No primeiro livro está registrado um diálogo entre Hermes e Poimandres (Deus ou Nous), sendo o primeiro contato entre eles. Poimandres revela a Hermes os segredos do Universo. Primeiro, apenas por um ato de vontade, ele criou o Cosmos, separando os quatro elementos básicos: Fogo, Água, Ar e Terra, que foram ordenados em sete céus, que passaram a orbitar em círculos e governam o Destino.
Por outro simples ato de vontade divina, o Verbo apareceu do nada, para materializar os elementos. Deus então fez os círculos girarem e de suas matérias surgiram as criaturas. A terra foi separada da água, e os animais (exceto o homem) brotaram da terra. Deus então criou à sua imagem, o homem andrógino e colocou-o sobre a terra, dando-lhe hegemonia sobre tudo. O homem subiu no alto de um monte para poder melhor observar toda a criação de Deus, a Natureza, e ficou deslumbrado. Depois, vendo sua imagem refletida na água apaixonou-se por si mesmo, tornando-se assim  escravo das suas limitações. Ficou mudo, pois o Verbo o abandonou. O homem então se transformou em duas entidades: um corpo mortal e um espírito imortal.
No Livro IX do 'Corpus Hermeticum' Deus (Nous) explica que a origem das coisas boas e más, depende com quem o homem faz alianças se Deus ou com os demônios. Os demônios, mais sorrateiros e acessíveis,  são os causadores do adultério, do assassinato, da violência doméstica, dos sacrilégios, da impiedade, do suicídio etc.
Menciona o livro,  que entre as coisas  consideradas extremamente pecaminosas e que mais ofendem a Deus, é o homem  concentrar sua vida em coisas materiais.
É um agravo a Deus e para si mesmo o homem não ter 'filhos'. Neste contexto, 'filho' não significa apenas descendente, mas também as criações do homem. Daí adveio a conclusão  por que Deus é Pai, pois, é o criador de todas as coisas. O bem supremo é o 'Poder Criador'.
Anteriormente, escritores e filósofos cristãos, como Lactâncio, Agostinho, Giordano Bruno e Marsilio Ficino, admitiam que Hermes Trismegisto fosse um sábio e 'profeta' pagão, que prenunciou o Cristianismo. Acreditavam em uma 'Prisca Theologia', normas religiosas que foram passadas ao homem por Deus na Antiguidade. Alguns destes autores apropriaram-se de ensinamentos da Hermética com o propósito de provar a verdade do Cristianismo. Ficou  muito entrelaçado o Hermetismo e o Cristianismo.
Ficino em seu livro 'Argumentum', descreve a genealogia da sabedoria,  que referindo-se a 'Prisca Theologia' elenca seis 'personagens':
1. Mercúrio (Hermes) Trismegistos.
2. Orfeu.
3. Aglaophemus (mestre órfico de Pitágoras).
4. Pitágoras.
5. Filolau.
6. Platão.
No período entre o final da Idade Média e o Renascimento, foram criadas algumas sociedades ocultas com princípios herméticos. Porém, foi no limiar do século XIX que elas se multiplicaram sobremaneira, sendo o Hermetismo praticado em grupos, como a Ordem Hermética da Aurora Dourada, Ordem do Aurum Solis etc.
Quando o Hermetismo passou a ser proibido pela igreja cristã foi praticado na clandestinidade, em diversas sociedades dedicadas à sua filosofia. A tradição esotérica ocidental está impregnada com o Hermetismo. Estudiosos, como Oratio Giovanni Pico della Mirandola, que tentou sincretizar a Cabala judaica (que ele acreditava que foi recebida por Moisés no Monte Sinai) com a mística cristã, para tornar o Hermetismo melhor compreendido pelos europeus do Renascimento.

No período compreendido entre a dissolução do Império Romano e o século XII o Hermetismo foi praticamente esquecido. Alan de Lille (1128-1203) empregou elementos de cosmogonia hermética na sua obra 'Summa Quoniam Homines et Contra Haereticus' onde ele exalta o conhecimento do 'sábio egípcio' Hermes sobre a unidade de Deus.
Em meados do século XIII, Roger Bacon nas suas obras 'Opus Maius' e 'Metaphysica' (ambas publicadas em 1267), mostrou simpatia pelas ideias herméticas. 
O Hermetismo voltou a ser moda na Europa em 1460. Cósimo de Médici, o grande mecenas de Florença, encarregou Ficino de criar uma academia platônica, coletando todas as obras de Platão traduzidas em latim que pudesse encontrar. A tarefa foi de conhecimento dos intelectuais da época. Foi aí que o monge Leonardo de Pistoia (pseudônimo de Leonardo Alberti), trouxe até Cósimo de Médici, alguns manuscritos em grego, com grande parte do 'Corpus Hermeticus' (que nada tinha diretamente a ver com Platão), impressionando bastante o culto mecenas. Estes manuscritos foram traduzidos para o latim por Marsilio Ficino e impressos em Treviso em 1471, com o pomposo título de 'Mercurii Trismegisti Pimander Liber de Potestate et Sapientia Dei', sendo então divulgado.

Mais tarde, o filólogo suíço Isaac Casuabon, estudando o texto concluiu que eles podem ser datados por volta dos séculos II e III, e não era obra de nenhum sacerdote egípcio.            
Da 'Tabula Smaragdina', também não é conhecido o original em grego. A versão conhecida mais antiga (datada de 934) está em árabe, fazendo conjunto com outros tratados reunidos num manual de alquimia com o nome de 'Livro dos Segredos da Criação'. Foi traduzido para o latim por Hugo Sanctelliensis, bispo espanhol.
A parte mais conhecido pelos ocultistas é o aforismo 'como acima está embaixo', que grosso modo, significa: o que está embaixo corresponde o que está em cima, para realizar o milagre das coisas e vice-versa.
Também se refere às três partes da sabedoria universal: Alquimia, Astrologia e Teurgia.
A Alquimia (operação do Sol) não é simplesmente a transformação de chumbo em ouro, trata-se da investigação sobre a vida espiritual, ou a existência material, através do conhecimento dos mistérios do nascimento, morte e ressurreição. Segundo a doutrina, as várias etapas da destilação e da fermentação são aspectos destes mistérios.
A Astrologia (operação da Lua). Segundo os escritos de Hermes foi Zoroastro quem descobriu a Astrologia e ensinou ao homem. Na doutrina hermética o movimento dos astros têm significado maior do que o entendido pelas leis da física. A Astrologia tem influências sobre a Terra, mas não tem o poder de determinar as ações humanas. A sabedoria está em saber administrar estas influências.
A Teurgia (operação das Estrelas). É a sabedoria de saber lidar com a Magia. Existem dois tipos de Magia, a Magia Negra (aliança com espíritos malignos, os demônios) e Magia ou Teurgia Divina (aliança com Deus e os anjos, seus mensageiros).
A filosofia hermética desenvolveu e modificou muito desde que foi anunciada. Existiram sempre organizações que se intitulavam ordens ou sociedades herméticas e passaram a estudar os tratados antigos. Algumas se destacaram como a Ordem dos Templários, a Maçonaria, a Ordem Rosacruz, e mais recentemente (surgiu na década de 1880), a Ordem Hermética da Aurora Dourada.
No final do século XIX foi escrito o livro 'Caibalion' (publicado em 1912) por 'três iniciados' que registraram as 'Sete Leis do Hermetismo'. Muitos achavam que o livro era mais antigo. A palavra 'Caibalion' seria um derivado grego da mesma raiz da palavra Cabala, que em hebraico significa "recepção".
O livro descreve as seguintes leis herméticas:
 1. Lei do Mentalismo: "O Todo é Mente; o Universo é mental.”.
 2. Lei da Correspondência: "o que está fora é o reflexo do que está dentro". Assim, as atitudes das pessoas ao redor de cada um e as circunstâncias apresentadas, não são mais que uma imagem exterior daquilo que vai dentro de cada indivíduo.
 3. Lei da Vibração: "Nada está parado, tudo se move, tudo vibra".
 4. Lei da Polaridade: "Tudo é duplo, tudo tem dois polos, tudo tem o seu oposto”. O igual e o desigual são a mesma coisa. Os extremos se tocam. Todas as verdades são meias-verdades. Todos os paradoxos podem ser reconciliados.
 5. Lei do Ritmo: "Tudo tem fluxo e refluxo, tudo tem suas marés, tudo sobe e desce, o ritmo é a compensação".
 6. Lei do Gênero: "O gênero está em tudo: tudo tem seus princípios masculino e feminino, o gênero manifesta-se em todos os planos da criação".
 7. Lei da Causa e Efeito: "Toda causa tem seu efeito, todo o efeito tem sua causa, existem muitos planos de causalidade, mas nenhum escapa à Lei".
Afirma ainda, que Hermetismo consiste, de forma sincrética, no estudo e prática da evolução e expansão da consciência humana para alcançar à Consciência Divina, penetrando assim nos mais profundos mistérios da Criação, o que ficou conhecido como Iniciação e Iluminação.
Em 1945, em Nag Hammad, próximo ao Mar Morto, junto com os rolos de pergaminho com cópias de livros da Bíblia, fui encontrado manuscritos de partes do 'Corpus Hermeticum'. Eram trechos do diálogo entre Asclépio e Hermes. Esta descoberta comprova a influência do Hermetismo na doutrina dos primitivos cristãos.
O Rosacrucianismo é um movimento hermético de conotação cristã, que teve origem no século XV. Consiste num grupo secreto interno e um grupo maior externo, sob direção do grupo secreto interno.
Adota como símbolo a rosa (a alma, o espírito) e a cruz (corpo de quatro elementos), que significa o espírito humano crucificado no plano material.
Seu sistema hierárquico é semelhante ao da Maçonaria, adotando a graduação dos membros, que ao subir de grau têm acesso a mais conhecimentos.
Para o Rosacruz, existem três etapas no desenvolvimento  espiritual: a Filosofia, a Cabala e a Magia Divina (Teurgia).

Fonte: Stravaganza

Homem-Mariposa

Mothman (Homem Mariposa, Homem Borboleta ou Homem Traça) é uma suposta criatura sobrenatural, que segundo relatos, apareceu em Charleston e Point Pleasant, entre novembro de 1966 e dezembro de 1967. Sua aparição está associada ao acontecimento de futuros desastres. A suposta criatura é estudada e investigada pela Criptozoologia, sendo portanto um criptóide.


Relatos de aparições

De acordo com o livro Estranhas criaturas do tempo e do espaço, de John A. Keel, A criatura sobrenatural começou a ser vista em Ohio a partir de 1959 quando sobrevoou muito rapidamente um pátio de uma mulher de um médico. Ela disse parecer tratar-se de uma borboleta gigante e apenas se atrevou a mencionar o incidente para algumas pessoas. O som foi descrito por outras testemunhas em locais e dias diferentes como sendo emitido por um grande rato.
Após essas visões, o Mothman passou a ser vista com mais frequência em Point Pleasant, onde ganhou a notoriedade que se espalhou pelo mundo, sobretudo entre os anos de 1966 e 1967. Foi descrita como sendo uma aparição de olhos fumegantes vermelhos, de um ser alado muito grande. Observações foram relatadas em Mason, Lincoln, Logan, Kanawha e Nicholas.A maior parte da população permaneceu cética, mas a histeria das testemunhas que se multiplicavam rapidamente era muito real.
Um dos casos mais notórios seu deu na tarde de 15 de novembro de 1966, ao passarem de carro por uma fábrica abandonada de TNT perto de Point Pleasant, Virgínia Oeste, dois jovens casais avistaram dois olhos enormes, de 5 cm de largura e 15 cm distantes um do outro, ligados a uma coisa que "tinha a forma de um homem, mas maior". Talvez entre 1,80 e 2,10 m de altura. E tinha asas grandes recolhidas nas costas. Os olhos eram hipnóticos, as testemunhas assentiram. Quando a coisa começou a se mover em direção à porta da fábrica, os quatro entraram em pânico e fugiram. Logo depois viram a mesma criatura, ou semelhante, na encosta de uma colina perto da estrada. Ela abriu as asas, que pareciam de morcego, levantou vôo e seguiu o carro, que àquela altura estava a 160 km/h.
Disse um dos quatro ao investigador John A. Keel que ele nem bateu as asas, ficava acompanhando-os de cima. As testemunhas disseram ao xerife interino Millard Halstead que ela emitia um ruído de um disco tocado em alta velocidade ou um gincho de camundongo. E seguiu-os pela Rodovia 62 até a divisa da cidade de Point Pleasant.
A própria polícia da cidade de Charleston, Virgínia Oeste recebeu uma chamada telefônica excitada de um certo Richard West às 10:15 da noite, na segunda, 21 de novembro. O homem insistiu que um homem alado estava sentado no telhado de sua casa. Tinha cerca de 1 metro e oitenta de altura e uma envergadura de asas de um metro e oitenta a dois metros e quarenta, relatou West excitadamente. Disse ele ainda que tinha uns grandes olhos vermelhos.
Alguns outros relatos também são coerentes com o fato de que perseguiu automóveis nas estradas e pessoas a pé.

Relações com OVNIS e supostas profecias

Há coincidências das aparições da criatura com relatos de aparecimentos de OVNIS. Diversas pessoas em Ohio no ano de 1966 relataram terem visto discos voadores. Point Pleasant faz parte do altamente industrializado Vale do Ohio e está na beira do Bible Belt. As testemunhas foram identificadas como pessoas educadas e honestas, altamente devotas de suas convicções religiosas e não teriam motivo de mentir. No total foram descritas 26 observações documentadas com descrições do Mothman na Virgínia Oeste entre 1966 e 1967. Histórias semelhantes continuaram a ser descritas em Point Pleasant até 1969. Depois dos anos 60, o Mothman esvaneceu, voltou à penumbra da realidade. Em outubro de 1974 houve uma aparição, em Elma, Nova York.

Até o momento não existe um consenso entre os pesquisadores se os Homens Mariposa seriam uma entidade vista por videntes, uma criatura extra-terrestre, um produto da imaginação ou fantasia de alguns, ou algo não descoberto pela ciência.Os Homems Mariposa ja Apareçeram no episodio Homens Mariposa da Quinta Temporada da Famosa Serie de TV Arquivo X.A relação com a profecia de futuros desastres é algo não consensual, visto que ele não se comunicava verbalmente com as pessoas, pelo menos durante as observações. Entretanto, há relatos de visões esporádicas do ser antes de desastres, de acordo com John A. Keel, autor também do livro The Mothman Prophecies, de 1975, que inspirou um recente filme homônimo protagonizado por Richard Gere (em português A última profecia). Inclusive existem relatos que a criatura foi vista nos dias que antecederam a outros acontecimentos trágicos no mundo, incluindo um terremoto na Cidade do México em 1985, o acidente nuclear em Chernobyl, em 1986 e a queda das Torres Gêmeas em Nova York, em 2001.
 Os Homens Mariposa no exterior

A única aparição no exterior documentada ocorreu na Inglaterra, numa estrada rural perto de Sendling Park, Hythe, Kent, em 16 de outubro de 1997, quando quatro jovens disseram ter visto uma "estrela" subir aos céus e sumir atrás das árvores não muito longe dali. Com medo, fugiram, mas logo depois pararam para ver uma luz dourada e oval que sobrevoava um campo a 80 m de distância. O OVNI dirigiu-se para a área arborizada e desapareceu de vista.
De repente, as testemunhas viram uma forma escura caminhando trôpega em direção a elas, vinda do outro lado do campo. Era preta, de tamanho humano e sem cabeça, com asas que pareciam de morcego. Diante das circunstâncias, os quatro preferiram não se demorar no local.

Possibilidades de outras possíveis explicações

A aparição deste misterioso ser foi notícia no New York Sun, em 18 de setembro de 1877, que uma curiosa criatura, com aspecto humano, mas com asas de morcego, ou para outros de mariposa, foi visto em Nova Iorque, particularmente no Brooklyn, durante o período de 1877 a 1880.
Na Inglaterra, também no início do século, nas cercanias da região de Piccadilly Circus Station, são relatadas aparições de uma estranha criatura que se acredita seja o Homem-Mariposa. Alguns descreviam esta sinistra figura como um cavaleiro alado acompanhado de seu cão negro(o famoso black dog) de olhos vermelhos, que são visto à noite dentro dos túneis do subterrâneo de Londres. Estas estranhas aparições começaram a ser descritas, coincidentemente, logo após a demolição do famoso teatro Egyptian Hall, em 1903, na cidade de Londres.
A Egyptian Hall foi uma conhecida Casa do Mistério, um centro de ilusionismo da família dos mágicos Maskelyne, sendo o mais famoso Jasper, Maskelyne que para alguns é, na verdade, o nome acrônimo do agente oculto Magister MaskMelin, um mágico espião desaparecido no começo da Segunda Guerra Mundial. Mas, segundo outras versões, o Egyptian Hall depois de sua demolição, deixou vestígios de estranhas cavernas que serviram para acobertar um esconderijo de uma certa organização secreta de agentes conhecidos como Lantern's denominada The Seven Circle, que se utilizava da expansão de algumas linhas do metrô da região de Piccadilly, para ter acesso a toda a cidade de Londres através de seus túneis subterrâneos. Essas afirmações estão descritas nos relatórios do Serviço Secreto Inglês, e estão pouco a pouco sendo liberadas ao domínio público. Muitas dessas informações secretas explicam vários mistérios e lendas urbanas sobre o Mothman ou do cavaleiro alado e seu cão negro no subterrâneo de Londres.
Vários estudiosos do caso deduzem que a tal criatura com grandes asas e olhos vermelhos pode ser um Tyto alba, nome científico para uma coruja que se esconde em celeiros e só sai à noite. Mas as conclusões ainda não são definitivas e os estudos e discussões avançam.

Fonte: Wikipedia

Simpósio de Hermetismo, 2012

O Hermetismo abrange um conjunto de teorias e práticas da filosofia oculta e da magia, conhecidas pela humanidade há milhares de anos. Prima por desvendar o que está além da ciência tradicional, procurando descortinar os segredos do Universo e do ser humano. As Ciências Ocultas buscam embasamento científico para explicar o conhecimento de fundamento místico.

Esta sabedoria antiga, durante muito tempo permaneceu restrita às diversas Ordens ou Escolas Ocultistas, sendo inacessível ao público em geral.
Com realização da Associação Educacional Sirius-Gaia, o Simpósio Brasileiro de Hermetismo e Ciências Ocultas tem por objetivo apresentar e promover o debate sobre as práticas ocultistas voltadas para o autoconhecimento, com a participação de diversas correntes e Escolas Ocultistas, e o compartilhamento de suas filosofias.

Em 2012 o evento ocorrerá na cidade de São Paulo, nos dias 2, 3 e 4 de novembro, no Grande Auditório do Bunkyo, no bairro da Liberdade. Inscrevendo-se até o dia 30 de Junho, há um desconto especial.

Informações e inscrições:
  www.simposiohermetismo.com.br

terça-feira, 19 de junho de 2012

Criança criada com animais


As fotos são de uma garotinha francesa chamada Tippi. Nascida em Nairobi, áfrica em 1990.  Cresceu na selva com seus pais que são fotógrafos da vida selvagem.  Eles documentaram a vida de sua filha com os animais. São fotos maravilhosas!


























  
  "No semblante  de um animal que não fala,há todo um discurso que só um espírito sábio é capaz de entender."
 
        "Compaixão pelos animais está intimamente ligada à bondade de caráter, e pode ser seguramente afirmado que quem é cruel com os animais não pode ser um bom homem."  

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Reflexões sobre a evangelização - Final

As bases filosóficas do agnosticismo foram assentadas no séc. XVIII por Kant e Hume. O termo, porém, foi cunhado pelo biólogo britânico Thomas Huxley em 1876 – ele definiu o agnóstico como aquele que acredita que a questão da existência de Deus não pode e talvez jamais possa ser resolvida.

O evangelho do agnóstico

“O Cosmos é tudo que existe, que existiu ou existirá” – Assim, com essa frase inesquecível, Carl Sagan inaugura o primeiro episódio da série de 13 documentários intitulada "Cosmos", veiculados na TV americana em 1980, e depois no restante do mundo. Ao pretender explicar ciência e cosmologia para o público leigo, Sagan acabou criando um épico que abrange também muitas questões existenciais, história, mitologia, religião e espiritualidade em geral.
Em alguma costa rochosa, em alguma praia do globo, Sagan observa as ondas, os pássaros, o vento, e algum tempo depois nos traz outra pérola em sua narrativa: “Recentemente, aventuramo-nos um pouco pelo raso (do Cosmos), talvez com água a cobrir-nos o tornozelo, e essa água nos pareceu convidativa. Alguma parte de nosso ser nos diz que essa é a nossa origem. Desejamos muito retornar, e podemos fazê-lo, pois o Cosmos também está dentro de nós. Somos feitos de matéria estelar, somos uma forma do próprio Cosmos conhecer a si mesmo.”
Sagan era profundo conhecedor de religiões e mitologia, além de cientista e cético, mas não era nem ateu nem teísta ou deísta, era puramente agnóstico. Seu evangelho era constituído de uma obra de divulgação científica totalmente voltada para tal espanto, tal deslumbramento, tal amor pela natureza e todo o Cosmos a sua volta. Essa era a boa notícia de Carl...

Para muitos teístas, o fato de existirem pessoas que não creem em um Deus pessoal, ou que pelo menos não tem certeza de sua existência, parece causar um certo desconforto. Não é raro perceber, em qualquer pessoa ligada a doutrinas eclesiásticas, uma tendência a classificar ateus, agnósticos, céticos, e às vezes simplesmente todo e qualquer cientista, como “gente sem fé”, perdida, afastada de Deus, e até mesmo imoral.
Mas a verdade é que, a despeito do aparente consenso dos eclesiásticos, a moralidade, o amor, não são exclusividade daqueles que oram todos os dias a Deus, que frequentam missas, que consultam algum manual da Verdade Absoluta frequentemente. Para o religioso superficial, isto que digo não levanta muitas questões – “Ora, mas é exatamente assim: uns são bons, outros maus, crer em Deus não faz de ninguém um santo”. Sim, isso faz sentido, mas a questão é mais profunda...

Se Deus existe – e para teístas e deístas ele certamente existe –, porque ele “permite” que algumas de suas criaturas vivam sem sequer crer nele?

Em outro produto da obra de Sagan, o livro de ficção “Contato”, que também deu origem a um excelente filme homônimo, é descrito um contato com inteligências extra-terrestres de uma forma verossímel e científica. Existe também um conflito entre as crenças de cientistas e religiosos – em dado momento, a protagonista do primeiro contato (no livro são vários contatos ao longo das décadas, no filme há apenas um), uma cientista agnóstica, nos traz uma importante indagação:
“Se Deus quisesse nos mandar uma mensagem e escrituras antigas fossem a única forma que pudesse imaginar, ele poderia ter feito um trabalho melhor. E ele dificilmente teria que se confinar a escrituras. Por que não há um monstruoso crucifixo orbitando a Terra? Por que a superfície da Lua não é coberta com os Dez Mandamentos? Por que Deus deveria ser tão claro na Bíblia e tão obscuro no mundo?”

Ao contrário do que muitos eclesiásticos possam imaginar, esta mensagem não denota um pensamento que diminua de alguma forma a importância da Bíblia, mas antes um pensamento que aumenta enormemente a amplitude do que há de sagrado no mundo – o reino é todo o Cosmos. E não poderia ser de outra forma...
Podemos encontrar neste mundo ateus, agnósticos, teístas e deístas, sim isso tudo é verdade. Mas será muito difícil encontrar algum ser que negue a existência de um sistema que rege todo o universo. Seja a crença nas leis fundamentais da natureza, seja a crença nos desígnios divinos, seja um misto de ambos, todos creem em algum sistema, cuja função pode ainda ser um mistério – mas que há de ser buscado, há de ser resolvido passo a passo, por todos nós, juntos!

Sim, nós realmente somos a forma do Cosmos conhecer a si mesmo. E pouco importa, na prática, se tal Cosmos é um ser pessoal, uma força cósmica ou até mesmo um acaso miraculoso – pois no fim, conforme postularam Kant e Hume, não compreendemos ainda muito bem nenhum deles, não podemos ainda resolver tal questão. Será que poderemos um dia?
Para resolvê-la, talvez não bastem apenas orações e experiências místicas, apenas meditação e autoconhecimento, mas também o estudo meticuloso, prático, objetivo, material, profundamente mundano, da natureza a nossa volta. Há muitos gigantes da história da ciência que, buscando talvez um deus barbudo senhor dos exércitos, acabou esbarrando em verdades muito mais profundas. Talvez buscando um reino confinado a um pequeno pedaço de rocha na periferia da uma de bilhões de galáxias, acabou esbarrando no infinito.

E, se mesmo hoje existem seres que buscam aos mistérios de Deus sem sequer crer nele, que se aventuram pelas entranhas dos átomos e quarks, pelo reino bizarro da mecânica quântica, pelos códigos ocultos do DNA, pelos quasares e sóis distantes, pelas singularidades de seções inimagináveis do espaço-tempo, deixem que busquem, pois de uma coisa teremos sempre a certeza: é impossível estar “fora” de Deus.
Talvez o trabalho deles seja tão importante para o mundo quanto os mandamentos dos evangelhos. O importante é encarar as boas novas não como enigmas solucionados, mas como o início de um caminho, subjetivo e objetivo, interior e exterior, que preenche toda nossa existência.

Amai sim, o próximo, e toda a vida, como a ti mesmo. Mas amai a coletividade da vida, amai os átomos que nos conectam a tudo e a todos em uma teia sem fim, amai ao Cosmos acima de todas as coisas.

Fonte: Textos Para Reflexão

Reflexões sobre a evangelização - Parte 2

Conversão religiosa é a adoção de uma nova identidade religiosa, ou uma mudança de uma identidade religiosa para outra. Isto envolve tipicamente o devotamento sincero a um novo sistema de crença, mas também pode ser concebido de outras maneiras, como a adoção em uma identidade de grupo ou linha espiritual.

Pequeno manual para a conversão do infiel

Todos os sistemas de crença ou doutrina religiosa se baseiam em espécies de guias, manuais passo a passo para uma vida de religiosidade mais profunda e verdadeira, em suma, uma religação mais eficiente e efetiva. Porém, me parece que podemos dividi-los em dois grandes grupos: aqueles em que o campo de aprendizado se dá única e exclusivamente por vontade e esforço próprios de cada um, sem a possibilidade de atalhos ou barganhas; e aqueles em que existe uma possibilidade de se avançar por meio de bênçãos e milagres, por barganhas diretas com Deus, em troca deste ou daquele benefício divino – um arrebatamento ao Céu, algum milagre ou salvação de última hora, ou simplesmente uma iluminação espiritual.

No segundo grupo se encontram a maior parte das igrejas ou sistemas eclesiásticos. Também pode-se dizer que este tipo de religiosidade é muito mais comum no Ocidente do que no Oriente. Por exemplo, quando determinada doutrina afirma que “só seremos salvos se aceitarmos Nosso Senhor Jesus Cristo em nosso coração”, ela opera por forma de barganha: aparentemente, o único caminho será esse, e o mérito da salvação não será exclusivamente nosso, mas muito mais uma forma de “retribuição divina” por nossa fidelidade. Ainda assim, aceitar o Senhor ainda é algo que tem mais lógica do que simplesmente doar quantias enormes de dinheiro a alguma igreja em troca da benção direta desse mesmo Senhor. Afinal, o que diabos Deus fará com seu dinheiro? Afinal, porque somente este ou aquele eclesiástico é responsável pela contabilidade divina?

No primeiro grupo, se encontram a maior parte dos religiosos que não necessariamente tem igreja. Também pode-se dizer que este tipo de religiosidade é muito mais comum no Oriente. Tais fiéis são antes fiéis a Deus, e mesmo que tenham alguma igreja ou grupo de estudos, e um dia os venha a abandonar, não necessariamente abandonará a própria doutrina em si. Estes fazem de suas casas, seus corações, suas mentes, sua única e inabalável catedral – onde sempre poderão orar, onde confessam antes de tudo a si mesmos.
Por exemplo, os dois primeiros versos do Livro do Caminho Perfeito, a obra principal do taoismo, dizem que “o caminho que pode ser seguido não é o Caminho Perfeito”. Superficialmente isto é um tanto paradoxal, é como se fosse apresentado um manual passo a passo para algum Céu em que, logo de início, já fosse afirmado que este manual não poderia ser seguido... No entanto, o que Lao Tsé queria dizer é análogo ao que muitos grandes sábios sempre afirmaram: que o caminho espiritual é próprio de cada um. Ou seja, o discípulo jamais poderá seguir o mesmo caminho do mestre, ele poderá no máximo utilizar seu exemplo de vida como base para construir o seu próprio caminho. Pois assim como não existem seres idênticos na criação, da mesma forma não existem caminhos idênticos para a religação ao Cosmos.

A mim me parece que a abordagem do primeiro grupo tem muito a ensinar ao segundo. Em realidade, existe uma disparidade tão grande e evidente à nível de profundeza espiritual entre tais grupos, que há de se perguntar se o segundo não é, em sua maioria, um grande agrupamento de visões equivocadas da religião mais aprofundada, universal, cósmica...

Há muitas igrejas, por exemplo, que foram edificadas inteiramente sobre textos sagrados aos quais se atribuí uma espécie de “ditado” direto de Deus. Não são como o Livro do Caminho Perfeito, uma mera tentativa de um sábio aconselhar aos outros sobre sua própria experiência de tentar compreender a Deus, mas antes a própria palavra de Nosso Senhor, verdadeiros Guias da Verdade Absoluta [1].

Se é que tais textos sejam mesmo o que os eclesiásticos pretendem que sejam, se é que não tenham sido enormemente adulterados com o passar do tempo, a evolução das sociedades, ou simplesmente por inúmeras traduções e compilações, ainda assim há que se pensar: se temos um nossa frente a Verdade codificada em palavras, em símbolos de escrita, será que isso nos bastará? Será que teremos plenas condições de interpretar corretamente tal Verdade? Acredito que a história das guerras religiosas nos traga uma boa resposta a essas perguntas – afinal, nenhuma guerra, nenhuma matança poderia, jamais, ser santa!
Obviamente que mesmo no Ocidente, que mesmo em tais igrejas com seus Guias Infalíveis, encontram-se os moderados, os da “ala mística”, ou que compreendem a religião, o religare, de forma mais aprofundada. Tenho certeza que esses jamais ergueriam uma espada, obrigando algum pobre coitado a se “converter” a sua doutrina...

Pois como poderia alguém, nalgum dia insano, converter outro alguém ao seu próprio pensamento, a sua própria doutrina, pela força? Pela sedução das palavras? Pelo terror anunciado de um lago de enxofre eterno aguardando todos aqueles que não se salvarem, que não aceitarem Nosso Senhor?
Ora, perguntem aos índios da América, perguntem aos negros da África, se eles nalgum dia se converteram ao Deus desses homens que os trataram como mercadoria, como escravos, como selvagens “sem alma”, mas nunca como irmãos, como seres na mesma caminhada para o Cosmos de onde todos foram catapultados na imensidão infinita. Dizer, da boca para fora, “eu aceito Nosso Senhor”, não significa que tenham aceitado. A liberdade jaz na mente e, assim como o caminho espiritual, é exclusiva de cada um, graças a Deus.

William James, um dos fundadores da psicologia, em seu grandioso tratado “Variedades da experiência religiosa”, postula que a conversão religiosa verdadeira pode aparentemente ocorrer de uma hora para outra, do dia para noite, em algum insight momentâneo, mas que quase que certamente já vinha sendo edificada, lentamente, nos calabouços ocultos do inconsciente. Que nossa questão com Deus é universal, todos temos de seguir este caminho, ainda que alguns o sigam inconscientemente ou o chamem de estudo da natureza – o importante é que, a nossa maneira, estamos todos caminhando à frente, aprimorando nossas potencialidades.

Lao Tsé e outros sábios sempre souberam que jamais poderiam converter alguém – o máximo que poderiam fazer era dar o exemplo, falar sobre sua própria experiência espiritual, sobre os percalços e as consolações do caminho, e esperar pacientemente que cada um, por si só, a seu próprio momento, convertesse a si mesmo.
Que não existe manual para o caminho alheio, apenas para o nosso próprio. O único infiel que tem de ser convertido é aquele que se encontra em nossa própria alma. Somos o juiz e o escravo, o apóstolo e o seguidor, o mestre e o discípulo, de nossa própria causa. Temos de ser fiéis ao nosso próprio ser, ao nosso tanto de fagulha divina que, ainda assim, é e sempre foi a única maneira com que Deus falou conosco – como o vento que sempre nos envolveu, embora não saibamos ao certo por onde ele tem passado.

A seguir, o evangelho do agnóstico...


[1] Muito embora, mesmo no taoismo existam lendas que colocam Lao Tsé como uma espécie de deus na Terra. Da mesma forma que existem religiosos superficiais no Ocidente, existem também no Oriente. Este texto não pretende ser, portanto, uma exaltação da religiosidade oriental como “superior”. Apenas procura atestar que a religiosidade pura, não eclesiástica, é muito mais comum na cultura oriental – independente de seus seguidores as terem compreendido ou não.

Fonte: Textos Para Reflexão

Reflexões sobre a evangelização - Parte 1

Evangelizar: de “evangelista”, εúάγγελος em grego koiné (dialeto popular da antiguidade), que significa “boas novas” ou “boas notícias”. Evangelizar significa, portanto, trazer as boas novas ao conhecimento dos homens.

As boas novas
Nem todos concordarão com a definição dada acima para o verbo “evangelizar”. Para um termo tão essencial ao cristianismo, surpreende que seja tão complexo defini-lo – mesmo entre os próprios cristãos.
Há muitos religiosos (não apenas cristãos) que creem piamente que sua principal função enquanto pertencentes a um grupo doutrinário ou igreja seja precisamente repercutir aos quatro cantos do mundo tudo o que sua respectiva doutrina dita. No caso particular de doutrinas que nos trazem mandamentos e preceitos morais, isso invariavelmente significa que, para tais religiosos, evangelizar significa não apenas trazer um consolo espiritual ou alguma boa notícia do reino de Deus, mas também ditar como as pessoas devem se portar em sociedade, normalmente afim de não caírem em “tentações e maus caminhos”, e alcançarem o Céu após a morte.

Eu costumo sempre lembrar que religião e igreja não são a mesma coisa. Religião (re-ligare) é a religação a Deus ou ao Cosmos, uma experiência profundamente subjetiva que é percebida e praticada pelos homens desde a pré-história – particularmente através do xamanismo. Igreja (ekklesia) significa uma comunidade dos escolhidos de Deus – um grupo ou elite de pessoas que teoricamente possuem alguma espécie de “conhecimento oculto” capaz de fazer com que os homens possam se elevar ao Céu ou alcançar o reino de Deus.
A definição de religião pressupõe um Deus universal, um ser cósmico que pode inclusive ser confundido ou interpretado como o próprio Cosmos em si, e para o qual cada um de nós se inclina a retornar, passo a passo, por seus próprios meios, seguindo um caminho pessoal, subjetivo, intransferível. Já a definição de igreja dá a entender que Deus está a eleger um grupo de escolhidos, destinados a alguma tarefa especial no mundo – e a todos os demais, aos que se afastaram de sua doutrina, geralmente não são esperadas boas notícias após a morte. No melhor dos casos, serão enviados a alguma espécie de “limbo” onde irão aguardar um julgamento que, teoricamente, pode ser “aliviado” pelas orações daqueles que estão no grupo de escolhidos, os eclesiásticos.

Dessa forma, embora todo membro de igreja seja religioso, nem todo religioso será um membro de igreja.

Mesmo os evangelhos, por exemplo, não foram somente aqueles quatro escolhidos pela “comissão” de Constantino para compor o Novo Testamento. Existiriam muitos outros, e, sobretudo, existiriam muitos seguidores destes outros textos, taxados de apócrifos (segundo alguns, “errado, falso, não autêntico”, segundo outros, “livro ou texto secreto, conhecimento oculto”). Estes que foram chamados por Constantino de gnósticos, e perseguidos e assassinados ou obrigados a se “converter” ao “cristianismo oficial”, na verdade sempre chamaram a si mesmos de cristãos, e praticavam sua religiosidade em pequenos grupos, em colinas, em cavernas, em qualquer lugar – pois compreendiam que o reino de Deus abrange todo e qualquer lugar, todo e qualquer tempo, e não necessitavam de apóstolos ou padres para lhes ensinar a direção.
Muitos evangelhos apócrifos foram escondidos em vasos e enterrados em cavernas na região onde viveu Jesus, pois do contrário teriam sido queimados como todos os outros condenados por Constantino. Mas ao longo dos séculos eles foram sendo desenterrados, na medida em que a igreja de Constantino vinha perdendo sua força e sua capacidade de ditar o que os homens deveriam ou não considerar como “autêntico”. Em Nag Hammadi foi achado um dos evangelhos mais profundos de que se tem notícia, o Evangelho de Tomé – nele Jesus nos dá uma pista de onde se encontra, afinal, o reino de Deus:
Jesus disse: Se aqueles que vos guiam vos disserem: vê, o Reino está no céu, então os pássaros vos precederão. Se vos disserem: ele está no mar, então os peixes vos precederão. Mas o reino está dentro de vós e está fora de vós. Se vos reconhecerdes, então sereis reconhecidos e sabereis que sois filhos do Pai Vivo. Mas se vos não reconhecerdes, então estareis na pobreza, sereis a pobreza. (versículo 3)”.

Sem dúvida tal definição do reino é um tanto paradoxal. Ora, se ele já se encontra aqui e agora, dentre nós e a volta de tudo e de todos, como poderá algum padre, algum pastor, algum guru espiritual, algum evangelizador, nos apontar a correta direção?
Aparentemente, todas as direções são corretas. Porém, ao mesmo tempo, há que se ter olhos para vê-las. Não se trata, portanto, de buscar alguma espécie de grupo de escolhidos, alguma espécie de salvação do fim dos tempos, através do conhecimento de uma doutrina em específico, ou através deste ou daquele preceito moral... Não, jamais foi assim tão simples, jamais será tão fácil!

Gibran Khalil Gibran, o grande poeta do Líbano, dizia que “Nenhum homem poderá revelar-vos nada senão o que já está meio adormecido na aurora do vosso entendimento.” – Ora, é precisamente isso que nos ensinaram os grandes sábios de outrora, desde Lao Tsé a Sócrates; é precisamente isso que Jesus queria dizer com o “Mas se vos não reconhecerdes, então estareis na pobreza, sereis a pobreza”.

Estamos num mundo repleto de boas novas por todos os lados, debaixo de pedras e dentre os galhos partidos, além das nuvens e próximo a beirada dos rios e oceanos, muito além das estrelas mais longínquas e ao mesmo tempo tão próximo como nosso pensamento mais querido. Não nos cabe decorar ou recitar orações ou fórmulas mágicas para adentrar ao reino das boas novas, que estas são apenas muletas para aqueles que ainda não conseguem se erguer por si mesmos. Cabe-nos tão somente olhar para dentro, conhecer a nós mesmos, evangelizar ao nosso mais precioso inimigo.

E para aquele que conseguiu evangelizar a si próprio, aquele que alcançou tal nirvana da alma, não será sequer necessário buscar seguidores – eles mesmos o reconhecerão. Não será sequer necessário anunciar a boa nova, seu olhar já a trará como pérola misteriosa em oceano profundo. Não será sequer necessário fundar uma doutrina ou igreja, que esta já foi fundada desde o início dos tempos. A igreja é o próprio reino, a igreja é o Cosmos.

Fonte: Textos Para Reflexão

A Avareza Gospel

O que sustenta nossa sociedade senão o espírito da avareza? Onde você ouve alguém fazer apologia da pobreza e da vida simples? Praticamente em lugar nenhum, eu particularmente sou pesquisador, autodidata, amante da leitura, e durante todos esses anos li um artigo,um único artigo, de autoria de cristão menonita, incentivando a pobreza e a vida simples, sem o glamour, a luxuria e esse consumismo exagerado próprio da nossa sociedade ocidental. O mundo jamais vai aceitar um ensino que comprometa sua visão materialista e consumista. O cidadão secular jamais poderia aceitar como equilibrada e sábia uma mensagem que contenha como essência, a suposição de que uma vida simples somada a um contentamento com poucas aquisições, como um estilo de vida alegre e sadio. Acontece que essa mentalidade soa loucura também para a maioria dos cristãos modernos, e quase sempre e em todo lugar, a prosperidade, o consumo, o status, o glamour, o e a mercantilização religiosa tem sido também o fardo que o protestantismo vem desenvolvendo e carregando.

Acontece que a simplicidade choca-se com as parafernálias tecnológicas dos últimos tempos, um estilo de vida simples, em um mundo que foi doutrinado na mais bestial lavagem cerebral de que precisamos galgar o elitismo materialista para que o sentido da vida possa ser encontrado. A sociedade cristã não fugiu dessa correnteza espúria e poluída, pelo contrario se tornou vigorosamente defensora dessa visão distorcida da vida. Quando o diabo tentou JESUS CRISTO, como vimos no evangelho de Mateus 4, ele ofereceu tudo o que qualquer homem ocidental sonha ter. Mostrou os reinos desse mundo e toda a sua glória, e ofereceu a JESUS CRISTO, em troca da adoração. O bilhete premiado do Diabo, era dar um sistema colorido, de proporções monetárias e consumistas que vão além dos excessos que conhecemos hoje. “Tudo isso te darei se prostrado me adorares” disse o diabo.

A maioria das igrejas ditas cristãs, não resistiram a essa tentação. E o diabo está feliz com isso. Hoje vimos esse consumismo materialista desenfreado, ao ponto de ser fazer do cristianismo um dos mais lucrativos empreendimentos que se tem noticia. Impérios excessivos são erguidos as custas do nome de JESUS CRISTO, Megatemplos são erguidos no mais rigoroso conforto somados aos milhares de sermões adocicados pelo veneno do falso evangelho que não chama o pecado de pecado e nem pecador de pecador, e não mais se afirma que o inferno existe e os pecadores, a maioria na visão de JESUS, vão para lá.

Ao invés de ser a mensagem de resgate, o evangelho da maioria se tornou a mensagem do engano, da distorção e da fraude religiosa. A grige religiosa evangélica se tornou na galinha de ovos de ouro, dos espertalhões do templo, que estão vendendo sua mercadoria falsa, um evangelho pirateado, de péssima categoria.

Aos olhos de uma sociedade capitalista e extremamente narcisista, os menonitas conservadores a essas alturas estão sendo vistos como verdadeiros ETS religiosos as margens desse carnavalesco grupo de evangélicos que professam a CRISTO com a boca e adoram a Mamom com o coração, qualquer um que não faça do cristianismo uma maquina caça níquel, é fanático antiquado e bitolado, tolo, atrasado, e sei lá o que mais.

Aliado a tudo isso, vem o monstro com pezinho de algodão chamado entretenimento. Basta sugar dinheiro ao som do circo show religioso que todo mundo fica contente, o espetáculo ilude as pessoas, A invenção mórbida de tantos aparatos religiosos e tantos esquemas litúrgicos é feita justamente para dar o nó nos neurônios dos incautos e nas vitimas que procuram um cristianismo barato, que dispense completamente as palavras de JESUS em Lucas 14: 26 a 35.

Estou escrevendo tudo isso, sem me importar o que as pessoas pensam de mim, sou cristão, sou evangélico, e as vezes fico irritado com o modo como sou tratado, porque há quem interprete o movimento evangélico de maneira genérica, como se todos fossem iguais, o que é uma mentira descabada, maldita e infernal. Não, mil vezes não! Pertenço a um grupo evangélico que não é rico e nem seus lideres nenhum deles construiu riquezas as custas do nome de JESUS, e nem fizemos comercio religioso, pregamos a salvação em Cristo e ajudamos as pessoas, praticamos a comunhão mutua, e além disso conheço outros que também que são assim.

Tozer já tinha percebido o declínio evangélico muitas décadas atrás quando escreveu: “ Por séculos a igreja se manteve solidária contra toda forma de entretenimento mundano, reconhecendo-o pelo que era – um meio para desperdiçar o tempo, um refúgio contra a perturbadora voz da consciência, um esquema para desviar a atenção da responsabilidade moral. Por isso ela própria sofreu rotundos abusos dos filhos deste mundo. Mas ultimamente ela se cansou dos abusos e parou de lutar. Parece Ter decidido que, se ela não consegue vencer o grande deus entretenimento, pode muito bem juntar suas forças às dele e fazer o uso que puder dos poderes dele. Assim, hoje temos o espantoso espetáculo de milhões de dólares derramado sobre o trabalho profano de providenciar entretenimento terreno para os filhos do Céu, assim chamados. Em muitos lugares, o entretenimento religioso está eliminando rapidamente as coisas sérias de Deus. Muitas igrejas nestes dias têm-se transformado em pouco mais do que pobres teatros onde “produtores” de quinta classe mascateiam as suas mercadorias falsificadas com total aprovação de líderes evangélicos conservadores que podem até citar um texto sagrado em defesa de sua delinqüência. E raramente alguém ousa levantar a voz contra isso.” (1)
Nessa confusão babilônica em que chegamos, rogo ao SENHOR para que abra os olhos de cada leitor, para identificar o grupo em que está associado e se desligar completamente das denominações mercantilistas e se associar com um grupo conservador no sentido mais nato da palavra.

Fonte: Apologia

Sincretismo Camuflado

O Pastor Sebastião Aragão, em uma matéria sobre confusão religiosa dos últimos tempos argumentava: “Há pouco mais de 2 dias fui a um congresso onde havia pastores de diversas denominações evangélicas. Temos o hábito de falar muito sobre uma certa igreja que se diz Cristã, por causa do seu sincretismo religioso. No entanto pude perceber mais de perto algo que já sabia há muito tempo: as igrejas chamadas "evangélicas" já tem hoje o seu "sincretismo" religioso também. Acontece de tudo o que se pode imaginar e dizem que é "poder do Espírito Santo". Se é que eu posso dizer assim, "coitado" do Espírito Santo, que leva a culpa de todas essas pilantrangens disfarçadas de evangelho. O que com certeza temos visto em nossos dias é o ANÁTEMA de que Paulo falou em gálatas: UM OUTRO EVANGELHO.
 
ESSA SITUAÇÃO só vem é fragilizar a fé daqueles novos convertidos que acreditam que toda aquela patifaria é poder de Deus. A Palavra de Deus diz que o EVANGELHO É O PODER DE DEUS PARA A SALVAÇÃO DE TODO AQUELE QUE CRÊ! É isso que devemos ensinar, é isso que devemos denunciar, é isso que devemos desmascarar, pois aqueles mais humildes, que não tem pelo menos um mínimo de cultura estão sendo levados ao engano PELOS VENDILHÕES DO TEMPLO.” (1)
O Problema maior de todas as coisas estranhas que estão entrando no mundo evangélico atual, é a falta de discernimento espiritual. É triste notar como as pessoas aceitam todo o sobrenatural, aceitam todas as profecias e tudo mais como se fosse uma manifestação divina. Parece que a maioria das pessoas não conhecem a bíblia, e não estão a par das advertências que a bíblia fala a respeito dos últimos dias.
Inocência ou cegueira espiritual? Creio que a ultima é a resposta plausível. Existe muitas pessoas que adotam praticas estranhas e supersticiosas sem levar em conta o que a bíblia diz ou adverte sobre o assunto.

Satanás o deus desse século de fato tem cegado a mente das pessoas religiosas que não estão dispostas a crer na verdade do evangelho e não querem saber do evangelho da verdade.
Me assusto muito quando vejo declarações como as de H. A. Maxwell Whyte: “ Nas igrejas há uma forma mais sutil de bruxaria falo sobre os falsos profetas com seus falsos dons espirituais, que se infiltram nas igrejas manifestando o sobrenatural. São pessoas usadas pelos “espíritos” e não pelo Espírito Santo. Eles pregam uma mensagem bem suave, com pouca base bíblica, então as pessoas concluem: Ele é um homem de Deus. Na verdade é um mago” (2)

As pessoas concluem que um homem é de Deus pelos sinais que ele faz e não pela doutrina que ele defende, não pelo que ele é mas pelo que ele faz, milhões de pessoas estão sendo enganadas dessa maneira, porque desprezam completamente aquilo que a bíblia fala sobre o assunto da advertência sobre as questões relacionadas as manifestações sobrenaturais, principalmente as relativas aos últimos tempos. 

Mas os sinais não são e nunca vão ser a prova definitiva de que um homem é de Deus. Por isso mesmo devemos tomar muito cuidado. Talvez as palavras abaixo definem muito melhor o que desejo expressar nesse artigo: “Aqueles de vocês que são bem letrados em assuntos espirituais sabem que o Diabo sempre falsifica o que o verdadeiro Deus faz. Assim a serpente que seduziu Eva se parecia com um anjo de luz. E seus ministros se parecem com ministros da verdade. Somos informados em Apocalipse que esse homem que será rei, receberá uma ferida mortal na cabeça e morrerá. Mas pelo poder do Dragão (Satanás), ele ressuscitará dos mortos. Esta é uma falsa ressurreição e fará com que todos aqueles cujos nomes não estão escritos no Livro da Vida o adorem. Pode-se presumir também que ele realizará curas e dará alimento para os famintos. Talvez ele também transformará água em vinho para que todos possam festejar e se divertir. Pois nos é predito em Mateus 24 que naqueles dias eles estarão comendo e bebendo, casando-se e dando-se em casamento, assim como faziam nos dias de Noé. Então eu considero que será sexo, drogas e rock and roll.” (3)

Mesmo diante de livros e artigos diversos advertindo sobre esse assunto, muitas crentes continuam cegos e indiferentes a esse assunto, isso apenas revela o poder do engano que atua na igreja atual, e por isso mesmo devemos lutar pela fé autentica e defender o evangelho verdadeiro. Não podemos ficar indiferentes diante da atual confusão no meio cristão, nossa chamada é para defender, batalhar e acima de tudo sermos guardiões das verdades bíblicas
C. J. Jcinto

Fonte: Apologia