terça-feira, 22 de março de 2016

As religiões mundiais estão prontas para a descoberta de vida extraterrestre?


Em 1930, foi pedida a opinião de Albert Einstein sobre a possibilidade de vida em outras partes do Universo.  “Outros seres, talvez, mas não homens“, ele respondeu.  Então lhe perguntaram se a ciência e a religião iriam entrar em conflito. “Na verdade não, embora isto dependa, é claro, dos pontos de vista das religiões“.
Nos últimos 10 anos, a nova habilidade dos astrônomos em detectar planetas que orbitam outras estrelas tem levado esta questão ao âmbito da filosofia, como foi para Einstein, e transformado-a em algo que os cientistas logo poderão ser capazes de responder.
A percepção de que a natureza do debate sobre a vida em outros mundos está para mudar fundamentalmente levou o Professor de Astronomia de Vanderbilt, David Weintraub a começar a pensar seriamente sobre a questão de como as pessoas reagirão à descoberta de vida em outros planetas. Ele percebeu, como Einstein tinha observado, que as reações das pessoas serão influenciadas grandemente por suas crenças religiosas.  Assim ele decidiu descobrir o que a maioria das religiões do mundo tem a dizer sobre o assunto.  O resultado está num livro intitulado “Religions and Extraterrestrial Life” (Springer International Publishing) [Tradução livre "Religiões e Vida Extraterrestre”], publicado este mês.
Quando fiz uma pesquisa em bibliotecas, descobri somente meia dúzia de livros e eles eram todos escritos sobre a questão da vida extraterrestre e a cristandade, e, pela maior parte, sobre o Catolicismo Romano; assim eu decidi olhar de forma mais abrangente“, disse o astrônomo.
Como resultado, seu livro descreve o que os líderes religiosos e teólogos têm a dizer sobre a vida extraterrestre em mais de duas dúzias de importantes religiões, inclusive o Judaísmo, Catolicismo Romano, Igrejas Ortodoxas Orientais, Igreja da Inglaterra e a Comunhão Anglicana, várias seitas principais Protestantes, a Convenção Batista Sulista (EUA) e outras denominações evangélicas e fundamentalistas, a Sociedade Religiosa de Amigos (Quakers), Adventismo do Sétimo Dia e Testemunhas de Jeová, a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (Mormons), Islã e várias religiões principais asiáticas como o Hinduísmo, Budismo e a Fé Baha’i.
DESCOBERTA DE PLANETAS
O notável progresso que os astrônomos têm feito na detecção de exoplanetas fornece à questão da vida extraterrestre um novo senso de urgência.  Em 2000, astrônomos detectaram 50 planetas orbitando outras estrelas.  Hoje, o número cresceu para mais de 1.000.  Se a taxa de descoberta for mantida, os astrônomos terão identificado mais de um milhão de exoplanetas no ano 2045.
Se mesmo um exoplaneta mostrar sinais de atividade biológica – e esses sinais não devem ser difíceis de detectar se coisas vivas lá estiverem presentes – então saberemos que a Terra não é o único lugar no Universo onde a vida existe“, aponta Weintraub.  “Embora seja possível provar o contrário, se não encontrarmos nenhum sinal de vida após um milhão de exoplanetas serem estudados, então saberemos que a vida no Universo é, na melhor das hipóteses, extremamente rara.
Uma enquete de opinião pública indica que por volta de um quinto a um terço da população estadunidense acredita que a vida extraterrestre exista, relata Weintraub.  Porém, isto varia consideravelmente com cada afiliação religiosa.
A CRENÇA EM EXTRATERRESTRES VARIA DE ACORDO COM A RELIGIÃO
* 55 por cento dos Ateus
* 44 por cento dos Muçulmanos
* 37 por cento dos Judeus
* 36 por cento dos Hindus
* 32 por cento dos Cristãos


Dos Cristãos, mais de um terço dos fiéis Ortodoxos Orientais (41%), Católicos Romanos (37%), Metodistas (37%), e Luteranos (35%) disseram acreditar em vida extraterrestre.  Somente os Batistas (29%) caíram abaixo do limite de um terço.
As religiões asiáticas são as que têm a menor dificuldade em aceitar a descoberta de vida extraterrestre, concluiu Weintraub.  Alguns pensadores Hindus têm especulado que humanos podem reencarnar como alienígenas, e vice-versa, enquanto a cosmologia Budista inclui milhares de mundos habitados.
Weintraub cita passagens do Alcorão que parecem dar apoio à ideia de que seres espirituais existem em outros planetas, mas aponta que estes seres podem não praticar o islamismo como praticado na Terra. “O Islamismo como outras fés, possui tradições fundamentalistas e conservadoras.  Todos os Muçulmanos, porém, provavelmente concordariam que a religião revelada profeticamente do Islamismo é um conjunto de práticas projetadas somente para humanos na Terra“, escreveu Weintraub.
O autor descobriu muito pouco nas escrituras Judaicas que se referem à questão.  Alguns poucos comentários Talmúdicos e Cabalistas sobre o assunto informam que o espaço é infinito e contém um número potencialmente infinito de mundos, e que nada pode negar a existência de vida extraterrestre.  Ao mesmo tempo, os Judeus não acreditam que a descoberta de inteligência extraterrestre teria muito efeito sobre eles.  Ele cita um antropólogo e estudioso judeu que tem comentado sobre esta questão e concluiu que o relacionamento entre os judeus e Deus não seria nem um pouco afetado pela “existência de outras formas de vida, novas realidades científicas descobertas ou mudanças de comportamento pan-humanas.
DEBATE CRISTÃO
Entre as religiões cristãs, os Católicos Romanos são os que tem pensado mais sobre a possibilidade de vida em outros mundos, descobriu o astrônomo.  Na verdade, eles têm tido um on-agin, off-again, debate teológico que tem durado por mil anos.  O cerne da questão é o pecado original.  Se alienígenas inteligentes não são descendentes de Adão e Eva, eles sofreram devido ao pecado original?  Ele precisam ser salvos?  Se este for o caso, então Cristo os visitou e foi ele crucificado e ressuscitado em outros planetas?  Do ponto de vista Católico Romano, se extraterrestres cientes existem, alguma, mas talvez nem todas as espécies podem ter cometido o pecado original e precisarão de redenção“, resumiu Weintrabu.
A diversidade inerente das denominações Protestantes, onde os indivíduos são encorajados a interpretar as escrituras de forma independente, levou a muitas abordagens conflitantes quanto a questão da inteligência extraterrestre.  Weintraub determinou que os pontos de vista da teologia Luterana de Paul Tillich parecem representar um consenso viável.  Tillich argumenta que a necessidade de salvação é universal e que a “força da salvação” de Deus deve estar em todos os lugares.  Ao mesmo tempo, ele mantém que o plano de Deus para a vida humana não precisa ser o mesmo para os alienígenas.
Os Evangélicos e Cristãos fundamentalistas são os que provavelmente têm maior dificuldade com a descoberta de vida extraterrestre, indica a pesquisa do astrônomo.  “…a maioria dos líderes Cristãos evangélicos e fundamentalista argumenta de forma veemente que a Bíblia deixa claro que a vida extraterrestre não existe.  Desta perspectiva, os únicos seres viventes que adoram a Deus em todo o Universo são os humanos, criados por Deus, que vivem na Terra.”  Mas o evangelista Batista Billy Graham foi uma exceção proeminente, declarando firmemente que ele acredita que “há seres inteligentes como nós longe no espaço, os quais adoram a Deus“.
Weintraub também identificou duas religiões – o Mormonismo e o Adventismo do Sétimo dia – cujas teologias abraçam os extraterrestres.  No Mormonismo, Deus ajuda a exaltar as almas menores, para que elas consigam alcançar a imortalidade e viver como deuses em outros mundos.  E Ellen White, que foi a co-fundadora do Adventismo do Sétimo Dia, escreveu que Deus tinha dado à ela a visão de outros mundos, onde as pessoas são “nobres, majestosas e amáveis“, porque elas vivem em estrita obediência aos mandamentos de Deus.
ESTAMOS PRONTOS?
Em resposta à questão “Estamos prontos?”, Weintrabu conclui: “Enquanto alguns de nós declaram estar prontos, a maioria de nós provavelmente não está… muitos poucos entre nós têm despendido algum tempo pensando sobre o que o conhecimento real sobre a vida extraterrestre, seja vírus, ou criaturas unicelulares, ou bípedes pilotando naves intergalácticas, poderia significar para nossas crenças pessoais e nosso relacionamento com o divino.
Fonte: OVNI Hoje

segunda-feira, 21 de março de 2016

O Rock e os Discos Voadores

Dado o fato de que a corrida espacial e o rock & roll foram lançados na mesma época, talvez não seja surpreendente que os músicos estavam olhando ao céu em busca de suas inspirações – algo que está sendo celebrado aqui com os 10 melhores rocks sobre OVNIs.  Enquanto algumas da músicas foram sobre astronautas ecowboys espaciais, outras exploraram a ideia de extraterrestres invadindo a órbita terrestre.
Veja:

10.‘It Came Out of the Sky’ - Creedence Clearwater Revival

Do álbum: ‘Willy and the Poor Boys’ (1969)
John Fogerty empregou um enredo de filme B (até mesmo o nome da música soa como um filme de ficção científica de segunda categoria), para sua faixa do Creedence Clearwater Revival. O “It” do título, nunca é revelado; somente ouvimos a respeito do que todos viram no OVNI que pousou “a little south of Moline” (‘um pouco ao sul de Moline [cidade]). Neste rock barulhento, que dá início à lista dos 10 melhores rocks sobre OVNIs, Fogerty explica que cientistas procuram uma explicação natural.  O Vaticano parece ver um sinal de Deus, teóricos da conspiração culpam os comunistas, Hollywood transforma o evento em filme e o então Vice-Presidente dos EUA, Spiro Agnew, procura lucrar a partir do “It”.
9.‘Arriving UFO’ - Yes
Do álbum: ‘Tormato’ (1978)
O Yes muitas vezes soava como sendo de outro mundo, mas eles empurraram seu rock progressivo até a estratosfera com esta faixa do álbum Tormato“Arriving UFO” encontra a banda dando as boas-vindas ao planeta à uma raça de seres superiores, com a esperança de que irão inspirar “um império mais robusto de energia”.  Os sintetizadores de Rick Wakeman fazem com que “Arriving UFO” soe como se estivesse ocorrendo no espaço sideral. Embora, após este álbum, Wakeman decidiria se separar do Yes, ele retornou ao grupo na década de 90.


Vídeo viaAndi Prama

8.‘Silver Lights’ - Sammy Hagar

Do álbum: ‘Nine on a Ten Scale’ (1976)
Voltando décadas atrás, Sammy Hagar estava obcecado com fenômenos inexplicáveis, escrevendo múltiplas músicas (como esta de sua estréia solo), sobre o Universo e as outras formas de vida que possam nele existir.“Silver Lights” descreve um grupo de seres alienígenas que visitaram a Terra, então varreram parte da população, enquanto o resto “brigava pelas migalhas” que sobraram. Em sua autobiografia, Hagar descreve um sonho que teve sobre ter seus pensamentos captados pelos alienígenas – algo que ele mais tarde disse não ter sido somente um sonho, mas que realmente aconteceu a ele.


Vídeo viaTheManFromCabo2
7.‘Zero Zero UFO’ - The Ramones
Do álbum: ‘Brain Drain’ (1989)
Para seu último álbum, Dee Dee Ramone co-escreveu um par de músicas punk paranormais:  “Pet Semetary” e “Zero Zero UFO.” Joey Ramone rosna a letra da música sobre um homem no estado de Idaho, que testemunhou o pouso de uma nave alienígena que “não parecia que veio do Japão”.  Um homem estranho se aproxima dele, mas não é contado o que acontece após, exceto que o público em geral provavelmente não irá acreditar nas estórias contadas por fazendeiros de tomates.


Vídeo viaRamones Music

6.‘Children of the Sun’ - Billy Thorpe

Do álbum: ‘Children of the Sun’ (1979)
Aqui é mostrada a obra ‘de outro mundo’ de Thorpe, que começa com uma série de ritmos pesados antes de explodir em onda ameaçadora após onda de espaçonaves.  Elas descem sobre nosso planeta, rodeadas por uma luz prateada (e um refrão monstruoso), então abre a porta para um novo mundo de visões e sons…


Vídeo viaScreamDream3000

5.‘I’ve Seen the Saucers’ - Elton John

Do álbum: ‘Caribou’ (1974)
Elton John e seu co-inspirador Bernie Taupin não são estranhos para ‘músicas espaciais’.  Nesse rock que abre o lado 2 de Caribou, Elton John canta sobre a empolgação de uma pessoa que verdadeiramente acredita que foi levada abordo de um OVNI.  Encarando o enorme tamanho do Universo, o viajante espacial rapidamente sente saudades de casa (bem como na música “Rocket Man”), e reza pra retornar à Terra logo: “Talvez se eu prometer não dizer uma palavra / Eles podem me levar de volta antes da luz da manhã”.


4.‘Come Sail Away’  Styx
Do álbum: ‘The Grand Illusion’ (1977)
Este rock clássico da banda Styx é dividido em duas partes.  Há a porção barroca, tipo balada de piano, que apresenta um capitão solitário de um navio solitário no mar aberto, e há a parte alimentada por uma guitarra ao final, que é onde um OVNI entra em cena.  Anjos, que na verdade são alienígenas, resgatam o capitão deprimido e sua tripulação, levando-os numa jornada até a fronteira final – repleta de sintetizador espacial e efeitos de teclado.  O cantor Dennis DeYoung disse que escreveu esta música porque estava triste sobre a falta de sucesso de sua banda naquela época.  Como os extraterrestres na música, “Come Sail Away” resgatou o Styx e se tornou o maior sucesso da banda.


Vídeo via: StyxVEVO
3.‘Hangar 18’ - Megadeth
Do álbum: ‘Rust in Peace’ (1990)
Na criação deste clássico do rock metal, Megadeth se inspirou nas teorias da conspiração sobre OVNIs, sugerindo que no Hangar 18 da Base Wright-Patterson da Força Aérea , no estado de Ohio, o governo dos EUA esconde alienígenas e suas espaçonaves – tais como a famosa nave que teria se acidentado em Roswell, no Novo México…


Vídeo viabubba45683

2.‘Mr. Spaceman’ - The Byrds

Do álbum: ‘Fifth Dimension’ (1966)
Esta música trouxe o primeiro uso do termo “space rock”. O country-rock jangle de “Mr. Spaceman”, é claro, não se parece com rocks progressivos épicos que seriam associados ao termo na década de 1970, mas o assunto desta música de dois minutos do The Byrds está mesmo assim em casa, junto com aquelas outras obras.  Roger McGuinn escreveu esta música sobre um homem que é visitado por OVNIs todas as noites, mas é desapontado quando eles se recusam o trazê-lo abordo e levá-lo para uma voltinha no Universo. MacGuinn esperava que os extraterrestres poderiam se encorajar a entrarem em contato com a Terra se eles escutassem a música no rádio AM.  Mas, infelizmente, os sinais AM se dissipam rapidamente no espaço. Obrigado por tentar, Roger.


Vídeo viaLewis Maitland
1.‘Starman’ - David Bowie
Do álbum: ‘The Rise and Fall of Ziggy Stardust’ (1972)
Você não pode ter uma lista dos 10 melhores rocks sobre OVNIs sem incluir David Bowie.  De “Space Oddity” até“Loving the Alien”, o cara branco e magro escreveu e desempenhou um bom volume de material de ficção científica, inclusive o álbum mais famoso de Bowie.  Contrário ao que  muitos pensam, o personagem de Ziggy Stardust não é um alienígena, mas meramente um mensageiro confinado à Terra, o qual fala a respeito de seres de outros mundos, que poderiam salvar a Terra nos últimos cinco anos anos da existência da humanidade. “Starman” conta a história de adolescentes que escutam a mensagem de Ziggy sobre os seres alienígenas “esperando no céu” e prontos para pousar suas naves, se os jovens puderem “brilhar” por eles.  A música é um momento chave na história de Ziggy, e também para a carreira de Bowie.  “Starman” foi seu primeiro sucesso na Grã-Bretanha após os três anos que seguiram o lançamento de “Space Oditty“.


Vídeo viaAlluurpo

Fonte: OVNI Hoje

domingo, 6 de março de 2016

A verdade sobre o dízimo

Nota introdutória: O texto abaixo não é de minha autoria, e foi extraído de fontes diferentes. Contudo, concordo em gênero, número e grau com o que está escrito, e desde já agradeço aos autores pelo esclarecimento de um assunto tão polêmico (ainda) entre os cristãos, e pelo trabalho destes companheiros bloguistas de levar a Verdade a todos que ainda estão sob as trevas da Ignorância neste campo. E como bem disse o Mestre Jesus, "...e eles conhecerão a Verdade, e a Verdade os libertarão..."
Para uma melhor compreensão, onde se lê "Senhor" na primeira parte do texto, no original consta "YHWH", apenas substitui pois muitos não conhecem o Tetragrama Sagrado, que seria a representação simbólica do nome de Deus.
Contudo, se ainda assim desejar saber mais sobre o seu significado, leia aqui.
Muitas pessoas estão perguntando acerca dos DÍZIMOS. E estamos pronto a mostrar nas Escrituras Sagrada o que são os DÍZIMOS e a quem pertence.

É de suma importância que aquele que ler não fuja das regras estabelecidas pelo CRIADOR de tudo que foi falado, o Senhor.

As pessoas estão se perguntando: É certo dar o DÍZIMO? Iremos falar sobre este assunto agora.

(Levítico 27:29) Nenhuma pessoa que dentre os homens for devotada será resgatada; certamente será morta. 30 Também todos os dízimos da terra, quer dos cereais, quer do fruto das árvores, pertencem ao Senhor; santos são ao Senhor. 31 Se alguém quiser remir uma parte dos seus dízimos, acrescentar-lhe-á a quinta parte. 32 Quanto a todo dízimo do gado e do rebanho, de tudo o que passar debaixo da vara, esse dízimo será santo ao Senhor. 33 Não se examinará se é bom ou mau, nem se trocará; mas se, com efeito, se trocar, tanto um como o outro será santo; não serão remidos. 34 são esses os mandamentos que o Senhor ordenou a Moisés, para os filhos de Israel, no monte Sinai.

(I Samuel 8:15) Tomará e dízimo das vossas sementes e das vossas vinhas, para dar aos seus oficiais e aos seus servos.

(II Crônicas 31:5) Logo que esta ordem se divulgou, os filhos de Israel trouxeram em abundância as primícias de trigo, mosto, azeite, mel e todo produto do campo; também trouxeram em abundância o dízimo de tudo.

(II Crônicas 31:6) Os filhos de Israel e de Judá que habitavam nas cidades de Judá também trouxeram o dízimo de bois e de ovelhas, e o dízimo das coisas dedicadas que foram consagradas ao Senhor seu Deus, e depositaram-nos em montões.

(Mateus 23:23) Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho, e tendes omitido o que há de mais importante na lei, a saber, a justiça, a misericórdia e a fé; estas coisas, porém, devíeis fazer, sem omitir aquelas.

A primeira coisa que queremos deixar bem clara é a seguinte:

Todos os textos a serem mostrados NAS ESCRITURAS mostram o que são os DÍZIMOS: (CEREAIS) – (FRUTOS) – (GADO) – (REBANHO) Pedimos que procurem nestes textos se os DÍZIMOS são referentes á DINHEIRO ou OURO ou JÓIAS. Se passarem a observar os MANDAMENTOS que o PAI dá ele fala apenas de ALIMENTO, NÃO DINHEIRO. O DÍZIMO passou a ser pedido por DINHEIRO pela Igreja Católica, e se tornou TRADIÇÃO dar DINHEIRO em vez de ALIMENTO.

Veja que até o tempo do Messias os DÍZIMOS eram ALIMENTOS:

(Mateus 23:23) Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho, e tendes omitido o que há de mais importante na lei, a saber, a justiça, a misericórdia e a fé; estas coisas, porém, devíeis fazer, sem omitir aquelas.

Continuaremos a colocar as passagens referentes a DÍZIMOS para que você MEDITE sobre o que ele é e a quem PERTENCE.

Preste atenção no texto:

(Números 18:21) Eis que aos filhos de Levi tenho dado todos os dízimos em Israel por herança, pelo serviço que prestam, o serviço da tenda da revelação.

(Números 18:24) Porque os dízimos que os filhos de Israel oferecerem ao Senhor em oferta alçada, eu os tenho dado por herança aos levitas; porquanto eu lhes disse que nenhuma herança teriam entre os filhos de Israel.

(Números 18:26) Também falarás aos levitas, e lhes dirás: Quando dos filhos de Israel receberdes os dízimos, que deles vos tenho dado por herança, então desses dízimos fareis ao Senhor uma oferta alçada, o dízimo dos dízimos.

Observe que os DÍZIMOS são dados por HERANÇA aos LEVITAS. Se alguém toma uma HERANÇA que pertence a uma outra pessoa isso é ROUBO.

Faça uma pergunta a si próprio:
Os pastores, padres, rabis, enfim esses líderes religiosos SÃO LEVITAS?
Se não são, porque recebem DÍZIMOS se é parte e HERANÇA ao LEVITAS?
Isso é ROUBO.

Eles estão passando por cima das PALAVRAS do CRIADOR recebendo uma coisa que não pertence a eles.

Agora repare este texto e MEDITE:

(Deuteronômio 12:11) Então haverá um lugar que o Senhor vosso Deus escolherá para ali fazer habitar o seu NOME; a esse lugar trareis tudo o que eu vos ordeno: os vossos holocaustos e sacrifícios, os vossos dízimos, a oferta alçada da vossa mão, e tudo o que de melhor oferecerdes ao Senhor em cumprimento dos votos que fizerdes.

Também pergunto eu, Nessas igrejas você encontra o nome do Senhor? Você chegou a ver HABITANDO em alguma dela o nome do nosso CRIADOR?

Medite sobre isso.
Quando se fala em DÍZIMOS as pessoas só relatam um versão das Escrituras:
(Malaquias 3:8) Roubará o homem a Deus? Todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas alçadas. 10 Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim, diz o Senhor dos exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós tal bênção, que dela vos advenha a maior abastança.

Agora você sabe aonde eles ROUBAM.
Tudo que é pego sem que nos pertença é ROUBO.
Então pelas PALAVRAS não minhas mas do próprio PAI, os DÍZIMOS não tem nada haver com DINHEIRO.

Por isso é falado:
(Isaías 55:2) Por que gastais o dinheiro naquilo que não é pão! e o produto do vosso trabalho naquilo quenão pode satisfazer? ouvi-me atentamente, e comei o que é bom, e deleitai-vos com a gordura. Inclinai os vossos ouvidos, e vinde a mim; ouvi, e a vossa alma viverá; porque convosco farei um pacto perpétuo, dando-vos as firmes beneficências prometidas a Davi.


Se começarmos a dar OUVIDOS (OUVIR) ao nosso CRIADOR, deixaremos de OUVIR O HOMEM EM SUA MALÍCIA. Mas para isso é preciso que se OUÇA o PAI e não ao HOMEM. Por isso ele está dizendo "Inclinai os vossos ouvidos, e vinde a mim; ouvi" OUÇA A ELE NÃO AO HOMEM.

(Isaías 55:1) Ó vós, todos os que tendes sede, vinde às águas, e os que não tendes dinheiro, vinde, comprai, e comei; sim, vinde e comprai, sem dinheiro e sem preço, vinho e leite. (A PALAVRA DELE) As pessoas estão indo as igrejas e PAGANDO para ESCUTAR o HOMEM. E cada casa tem as Escrituras Sagradas para lerem e não serem enganadas por HOMENS.

(Mateus 10:8) Curai os enfermos, ressuscitai os mortos, limpai os leprosos, expulsai os demônios; de graça recebestes, de graça dai.

Tudo o nosso PAI e CRIADOR nos deu de GRAÇA. Ele não cobrou nada. O ALIMENTO pedido são para os necessitados, os que tem fome. Não para encher os bolsos daqueles que se aproveitam daqueles que nada sabem.

Certamente eles falarão:
O DINHEIRO é para a obra de Deus!
O DINHEIRO é para a casa de Deus!
O DINHEIRO é para nosso salário!
O DINHEIRO é para a obra de Deus! 

(RESPONDA A ELES) Quem faz a OBRA é o PAI.
Nós levamos o evangelho de boca em boca. Como no passado.

(Marcos 16:15) E disse-lhes: Ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura.

Não é para ficarmos PARADOS numa igreja. E sim IR e levar a VERDADE que nos foi OMITIDA pelos HOMENS.

(Mateus 10):9 - Não vos provereis de ouro, nem de prata, nem de cobre, em vossos cintos; 10 - nem de alforje para o caminho, nem de duas túnicas, nem de alparcas, nem de bordão; porque digno é o trabalhador do seu alimento. 11 - Em qualquer cidade ou aldeia em que entrardes, procurai saber quem nela é digno, e hospedai-vos aí até que vos retireis. 12 - E, ao entrardes na casa, saudai-a; 13 - se a casa for digna, desça sobre ela a vossa paz; mas, se não for digna, torne para vós a vossa paz.14 - E, se ninguém vos receber, nem ouvir as vossas palavras, saindo daquela casa ou daquela cidade, sacudi o pó dos vossos pés.
Não é com DINHEIRO. O DINHEIRO CORROMPE.
Por isso eles não pregam a VERDADE.
O dia que as pessoas passarem a ouvir a VERDADE, elas sairão. E eles perderão seu lucro.

• O DINHEIRO é para a casa de Deus!
(RESPONDA A ELES) (Atos 7:48) Mas o Altíssimo não habita em templos feitos por mãos de homens, como diz o profeta:

(Atos 17:24) O Deus que fez o mundo e tudo o que nele há, sendo ele Senhor do céu e da terra, não habita em templos feitos por mãos de homens;

O Senhor não habita em PEDRA, TIJOLO E CIMENTO.

(Lucas 17:21) nem dirão: Ei-lo aqui! ou: Ei-lo ali! pois o reino de Deus está dentro de vós.

Nós somos o TEMPLO! É em nós que o ESPÍRITO habita. Não em algo construído por mão humanas.

Para finalizar:
(Apocalipise 13) 15 -  Foi-lhe concedido também dar fôlego à imagem da besta, para que a imagem da besta falasse, e fizesse que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta. 16 -  E fez que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, lhes fosse posto um sinal na mão direita, ou na fronte, 17 -  para que ninguém pudesse comprar ou vender, senão aquele que tivesse o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. 18 Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis.

Só irá COMPRAR e VENDER os que tem o SINAL ou o NOME da BESTA.
Mas que SINAL é este?

Leia e entenda Deuteronômio 6:
1 Estes, pois, são os mandamentos, os estatutos e os preceitos que o Senhor teu Deus mandou ensinar-te, a fim de que os cumprisses na terra a que estás passando: para a possuíres; 2 para que temas ao Senhor teu Deus, e guardes todos os seus estatutos e mandamentos, que eu te ordeno, tu, e teu filho, e o filho de teu filho, todos os dias da tua vida, e para que se prolonguem os teus dias. 3 Ouve, pois, ó Israel, e atenta em que os guardes, para que te vá bem, e muito te multipliques na terra que mana leite e mel, como te prometeu o Senhor Deus de teus pais. 4 Ouve, ó Israel; o Senhor nosso Deus é o único Senhor. 5 Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todas as tuas forças. 6 E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; 7 e as ensinarás a teus filhos, e delas falarás sentado em tua casa e andando pelo caminho, ao deitar-te e ao levantar-te. 8 Também as atarás por sinal na tua mão e te serão por frontais entre os teus olhos; (AQUI ESTÁ O SINAL DO Senhor NA MÃO E NA FRONTE) 9 e as escreverás nos umbrais de tua casa, e nas tuas portas.

Sempre é ensinado pelo PAI e pelo FILHO que o Senhor nosso DEUS é o ÚNICO!
Suas PALAVRAS e MANDAMENTOS dele estarão gravados como SINAL na nossa MÃO (O TRABALHO DE NOSSAS MÃOS É PARA A OBEDIÊNCIA DELE) e como FRONTAIS ENTRE OS OLHOS (TESTA) ISSO É NO NOSSO ENTENDIMENTO.

Quem tem o SINAL do PAI, como vocês viram aqui não COMPRAM a sua PALAVRA, nem a VENDE. Pois tem o SINAL do PAI. (QUE É A SUA PALAVRA E SEUS MANDAMENTOS)

Quem tem o SINAL do HOMEM (A PALAVRA HUMANA) irá COMPRAR e os que ILUDEM são os que VENDEM.

Então só comprará e venderá quem tem o SINAL HUMANO (A PALAVRA HUMANA)

(Apocalipse 13) 15 -  Foi-lhe concedido também dar fôlego à imagem da besta, para que a imagem da besta falasse, e fizesse que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta.
16 -  E fez que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, lhes fosse posto um sinal na mão direita, ou na fronte, 17 -  para que ninguém pudesse comprar ou vender, senão aquele que tivesse o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. 18 -  Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis.

Hoje sabemos que o Senhor enviou seu FILHO, e o próprio PAI deu o nome do seu FILHO (ISAÍAS 7:14) Mas quando o FILHO subiu aos céus o HOMEM fez uma IMAGEM. E a essa imagem ele deu o NOME DE JESUS que é CAVALO (BESTA). Hoje quem paga com dinheiro seus DÍZIMOS são aqueles que tem o SINAL ou o NOME da BESTA (JESUS). O nome que recebeu a IMAGEM que fizeram do FILHO do Senhor.

Quando passarmos a dar OUVIDOS ao ESPÍRITO (Senhor) ou ao seu enviado, seremos bem-aventurados.

Se quiser utilizar seu dinheiro em algo que seja útil, DIVULGUE a PALAVRA VERDADEIRA do PAI. Fazendo cópias deste trabalho e distribuindo a quem precisa, (TEM FOME DE CONHECIMENTO) Fazendo isso saberá que seu dinheiro foi bem empregado e que você mesmo esta usando ele com sabedoria.

O Senhor te abençoe e te guarde;
O Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre ti, e tenha misericórdia de ti;
O Senhor levante sobre ti o seu rosto, e te dê a paz.

Assim porão o meu nome sobre os filhos de Israel, e eu os abençoarei.

Assista ao vídeo abaixo:

EXIGE DEUS O PAGAMENTO DE DÍZIMOS?

 "Cada um contribua segundo tiver proposto no coração,
não com tristeza ou por necessidade;
porque Deus ama a quem dá com alegria."
(2 Coríntios 9:7).

Em fevereiro de 2011, o Ministério Público denunciou a Igreja Universal, e seus representantes, sobre o crime de lavagem de dinheiro e evasão de divisas utilizando um banco de fachada. O processo ainda corre no Supremo, mas a despeito dessa guerra de acusações, toda vez que vejo esses debates o que me surpreende são os comentários de alguns religiosos defendendo o direito de pagar dízimos com uma justificativa bem simplista utilizada por picaretas mal intencionados ou leigos ingênuos: está na bíblia!  Alguns até chegam a afirmar que pagam dízimos porque está na Bíblia, e assim, está fazendo sua parte independente do que o pastor ou padre faça com o dinheiro.

Uma pesquisa um pouco mais aprofundada sobre o assunto mostra que não é bem assim...

O que é Dízimo?
 
É uma palavra que significa décima parte, dez por cento pago como tributo sobre alguma coisa. Na Bíblia ela aparece pela primeira vez no livro de Gênesis 14:18-20 quando o patriarca Abraão deu a Melquisedeque um décimo dos despojos de sua vitória sobre um povo inimigo. Mas não era uma Lei, era apenas uma forma de medição ao retribuir algo a alguém. - Veja também Gên. 28:20-22.
 
O Dízimo como Lei bíblica surgiu muitos e muitos anos mais tarde, já nos dias de Moisés logo após a libertação de Israel do Egito. Jeová Deus viu que eles ainda eram bárbaros e precisavam de Leis para reger tudo em suas vidas, seja religiosa, financeira, amorosa, interpessoal, entre outras. Assim, das mais de 600 Leis dadas ao Israel antigo - a Torá - havia a Lei sobre dízimos.
 
Qual objetivo do dízimo?
 
Deus dividiu o Israel antigo em 12 tribos. Uma delas, a de Levi, foi tirada exclusivamente para atividade de cuidar da adoração a Jeová Deus - no inicio uma tenda onde ficava a Arca da Aliança e depois do Templo erguido por Salomão. Como os levitas não tinham terras e nem direito à heranças,  sua obrigação era apenas cuidar do Santuário, não podendo produzir o seu sustento, desta forma ao serem exortados a dar um décimo de sua produção agrícola e pecuária, vale frisar, os Israelitas tinham o objetivo apenas de suprir materialmente os Levitas e manter a adoração viva. - Le.27:30-32; Num. 18:21.
 
Os cristãos são obrigados a pagar o dízimo?
 
Não. Em nenhum lugar do Novo Testamento existe qualquer exortação para que o cristão retire 10% da sua renda para dar à igreja.  O objetivo do dízimo era suprir materialmente os levitas. Com a vida de Jesus Cristo e o estabelecimento da nova aliança (ou novo pacto), o qual todas as nações abençoariam a Deus por meio do prometido messias, a Lei de Israel - incluindo a dos dízimos - perdia seu valor.  Os Sacerdotes judaicos, que não aceitavam Jesus Cristo como o novo messias, continuaram com a cobrança ilícita, e deturpada, dos dízimos. Mas os cristãos estavam livres dessa cobrança. - Ef. 2:15; Col. 2:13,14.
 
Mas como as igrejas primitivas se sustentavam?
 
As primeiras igrejas cristãs tinham apenas um único objetivo: fazer o maior número de pessoas conhecer sobre Jesus Cristo. Desta forma, todo dinheiro arrecadado eram de doações voluntárias apenas com o propósito de bancar as viagens destes discípulos. Ainda assim, o que se arrecadava tão pouco que muitos dos apóstolos abriam mão desse dinheiro e viviam da hospitalidade das pessoas pelo caminho. - Compare com Atos 18:3.
 
Uma parte do dinheiro arrecadado voluntariamente deveria ser guardado para ajudar irmãos pobres em casos de calamidade ou necessidades. - Atos 4:32-37; 6:1-4.

É notório que algumas igrejas aboliram o termo dízimo de suas arrecadações, mas ainda assim, por meio de uma evangelização tendenciosa que chamam de "campanha" ou "oferta" conseguem arrancar mais dinheiro do que ganhariam com o  dízimos. No fim, quase sempre o doador não sabe especificamente em que está sendo aplicado o dinheiro.
 
As igrejas primitivas tinham trabalhos sociais ou negócios comerciais?
 
Não. O único objetivo da igreja era apenas espiritual, usavam o dinheiro apenas para espalhar a palavra de Deus. É notório que muitas igrejas hoje em dia se envolveram no pseudo trabalho social, mantendo creches,  escolas e até universidades. Algumas são donas de redes de televisão, lojas de roupas, gravadoras, merchandising, entre outros. Embora o objetivo até seja louvável, o de aumentar a renda da igreja para ser investido em programas de evangelização, ainda assim, não é bíblico e não espelha o trabalho realizado pela igreja primitiva.
 
A igreja não tem orientação bíblica de manter trabalhos sociais ou negócios comerciais e exigir que seus membros o mantenham por meio de dízimos ou doações, como fazem muitos televangelistas.

Os apóstolos e presbíteros recebiam salário pelo seu serviço?
 
Outra justificativa para a cobrança de dízimos se diz ao pagamento do salário de padres e pastores. Na igreja cristã os líderes não recebiam salário fixo para fazer seu trabalho. Os missionários e aqueles que viajavam, inclusive os apóstolos, para espalhar a palavra de Cristo recebiam ajuda financeira para custear essa viagem, mas ainda assim, muitos deles trabalhavam, como o apóstolo (São) Paulo que fazia rendas para ganhar seu próprio sustento. - Atos 18:3; 1 Te.2:9.

"Pois nenhum necessitado havia entre eles, porquanto os que possuíam terras ou casas, vendendo-as, traziam os valores correspondentes e depositavam aos pés dos apóstolos; então, se distribuía a qualquer um à medida que alguém tinha necessidade." (Atos 4:34-35).

Muitos cristãos, principalmente líderes de igrejas, argumentam que os tempos hoje são outros, que há novas necessidades e que a igreja não pode viver sem doações. Concordo, afinal, existem impostos e gastos com a manutenção. Contudo, o que estamos questionando não são as doações voluntárias dadas com o objetivo de edificar a igreja e divulgar o seu trabalho. Questionamos a forma como muitas igrejas, especialmente as neopentencostais que praticam a Teoria da Prosperidade* de arrecadar valores altíssimos de seus fiéis, tosquiando-os e fazendo-os crer que serão beneficiados por alguma graça. Seja por dízimo ou doação voluntária, o dinheiro arrecadado deve ser investido apenas no trabalho evangelizador. Fora isso é charlatanismo!
Embora a reportagem acima seja especificamente sobre uma determinada Igreja, a pratica de enriquecimento ilícioto tendo por justificativa o dízimo é praticada por praticamente 80% das igrejas, principalmente as neopentencostais, e inclusive, a Igreja Católica que reestabeleceu oficialmente o dízimo em 1969 por meio da CNBB.
 
Jesus disse: "Curai doentes, ressuscitai mortos, tornai limpos os leprosos, expulsai demônios. De graça recebestes, de graça dai. Não adquirais nem ouro, nem prata, nem cobre, para os bolsos dos vossos cintos, nem alforje para a viagem, nem duas peças de roupa interior, nem sandálias, nem bastão; pois o trabalhador merece o seu alimento." - Mateus 10:8-10.

Você não precisa das Igrejas evangélicas para doar algo que realmente faça bem ao próximo.... 

Doe para instituições realmente comprometidas ou faça você mesmo o bem que lhe seja possível e sem olhar a quem...

Faça a sua parte para melhorar as escolas, para dar remédio a pessoas carentes, para mudar a mentalidade dos alienados pela mídia através da educação... 

Doar dízimos a igrejas geralmente só faz bem a quem já tem muto e não paga imposto e ainda agride quem pensa diferente deles. Pior, aumenta o poder teocrático e agressivo destes. O dinheiro de dízimos - e nunca se vê Cristo cobrando nada nos evangelhos, muito ao contrário, o vemos pedindo para que não se juntasse tesouros na Terra - é embolsado por pastores, que utilizam em proveito próprio e de seus impérios.

AS MENTIRAS
1º MENTIRA – “O DÍZIMO FOI ORDENADO POR DEUS NO JARDIM DO ÉDEN, POIS A ÁRVORE DO CONHECIMENTO REPRESENTA O DÍZIMO”
Na verdade, biblicamente o dízimo foi ordenado no monte sinai (levíticos 27:30-32; Números 18:21-24) e portanto, não foram instituidos no Jardim do Éden, pois sequer é mencionado que Adão e Eva receberam o mandamento de dizimar. A associação que muitos religiosos que insistem em receber dízimos fazem de que a árvore do conhecimento do bem e do mal (Gênesis 2:9), pois não era permitido a Adão e Eva comer dela (Gênesis 2:17) portanto ela seria segundo eles um “símbolo” do dízimo, mas isso é uma associação esdrúxula, pois sequer há um texto bíblico que faça uma ligação entre essa árvore do Jardim do Éden e o dízimo da lei de moisés, sequer se diz que a árvore ocupava 10% do espaço do Jardim do Éden. Trata-se portanto de mais um argumento ridículo usado pelos líderes religiosos para levar o povo a acreditar que o dízimo não era somente obrigatório perante a lei de moisés.
2º MENTIRA – “O DÍZIMO SEMPRE FOI OBRIGATÓRIO MESMO ANTES DA LEI DE MOISÉS”
O dízimo antes de sua ordenança no Sinai era voluntário, sendo mencionado apenas 2 vezes antes de se tornar obrigatório, Abraão deu uma única vez um dízimo do despojo de guerra quando resgatou seu sobrinho ló e jacó fez um voto a Deus (gênesis 14:17-20, gênesis 28:20-22)
Pelas seguintes razões, Gênesis 14:20 não pode ser usado como exemplo para os cristãos dizimarem: 1º – A Bíblia não diz que Abraão deu obrigatoriamente esse dízimo. 2º – O dízimo de Abraão não foi um dízimo santo, da Terra Santa de Deus, produzido pelo povo santo de Deus. 3º – O dízimo de Abraão foi somente do despojo de guerra (hebreus 7:4). 4º – O dízimo de Abraão a Melquisedeque aconteceu apenas uma vez e Abraão mudava sempre de lugar. 5º – O dízimo de Abraão não proveio de sua riqueza pessoal. 6º – O dízimo de Abraão não é mencionado em nenhuma parte da Bíblia, seja no velho ou no novo testamento a fim de respaldar o ato de dizimar. 7º – Visto como nem Abraão nem Jacó tinham um sacerdócio levítico para manter, eles não tinham lugar algum onde entregar os dízimos, durante os seus muitos deslocamentos.
No caso específico de Jacó, lemos o seguinte: “Fez também Jacó um voto, dizendo: Se Deus for comigo, e me guardar nesta jornada que empreendo, e me der pão para comer e roupa que me vista,de maneira que eu volte em paz para a casa de meu pai, então, o SENHOR será o meu Deus;e a pedra, que erigi por coluna, será a Casa de Deus; e, de tudo quanto me concederes, certamente eu te darei o dízimo” (Gênesis 28:20-22). O texto bíblico é claro, que Jacó fez um propósito particular (um voto) de que se Deus fosse favorável à ele, que ofereceria à Deus o dízimo. Não se vê também neste caso nenhuma ordem explicita de Deus ou algum sacerdote a mando Dele, para que Jacó dizimasse, e vemos que foi uma promessa de Jacó para Deus, não há relatos posteriores na Bíblia que ele tenha de fato dizimado, apenas se observa a sua promessa, seu compromisso de entregar o décimo de tudo que viesse a obter daquele momento em diante. Outra vez, não vemos na Bíblia nenhuma passagem em que vemos escrito que devemos dizimar como Jacó fez, portanto trata-se de mais uma mentira que os líderes criaram para tentar fazer parecer que os dízimos eram obrigatórios antes mesmo da lei de moisés.
3º MENTIRA – “O DÍZIMO DOS ALIMENTOS DO VELHO TESTAMENTO FOI SUBSTITUÍDO POR DÍZIMO DO DINHEIRO NOS DIAS ATUAIS”
Não há um versículo na biblia informando que dízimo obrigatório da lei de moisés possa ser ouro, prata, moeda, dinheiro, etc. Dízimo sempre foi apenas alimento do campo vegetal ou animal (levíticos 27:30 e 32) mesmo quando havia metais preciosos como moeda corrente. Abraão no seu tempo comprou uma sepultura para sua esposa por 400 ciclos de prata (gênesis 23:16)
Embora já existisse dinheiro, a substância do dízimo divino jamais foi dinheiro. Ele era o “dízimo do alimento”. Isso é muito importante. Os verdadeiros dízimos bíblicos eram sempre somente o alimento proveniente das fazendas e rebanhos, somente dos israelitas que vivessem exclusivamente dentro da Terra Santa de Deus, as fronteiras nacionais de Israel. A fartura provinha de Deus e não da manufatura ou habilidade do homem.
Existem 15 versículos de 11 capítulos e 8 livros, de Levítico 27 a Lucas 11, que descrevem o conteúdo do dízimo. E o conteúdo jamais, repito, jamais incluía dinheiro, prata, ouro ou qualquer outra coisa, além de alimento. Mesmo assim, a definição incorreta de “dizimar” é a maior mentira que está sendo pregada sobre esse ato, hoje em dia. (Veja Levítico 27:30,32; Números 18:27,28; Deuteronômio 12:17; 14:22, 23, 26; 2 Crônicas 31:5; Neemias 10:37; 13:5; Malaquias 3:10; Mateus 23:23 e Lucas 11:42).
Não se observa portanto em toda a bíblia, alguém entregando dízimo em dinheiro, pois dízimo era décima parte dos alimentos ( agropecuários ou agrícolas ), e jamais foi entregue em dinheiro. E o dinheiro já era corrente nos tempos bíblicos, pois o próprio moisés que recebeu a lei para o povo lidou com dinheiro: “Então, Moisés tomou o dinheiro do resgate dos que excederam os que foram resgatados pelos levitas.Dos primogênitos dos filhos de Israel tomou o dinheiro, mil trezentos e sessenta e cinco siclos, segundo o siclo do santuário. E deu Moisés o dinheiro dos resgatados a Arão e a seus filhos, segundo o mandado do SENHOR, como o SENHOR ordenara a Moisés” (Números 3:49-51)
Mais uma prova de que o dízimos sempre foram alimentos podem ser vista nessa passagem bíblica: “DOS DÍZIMOS NÃO COMI no meu luto e deles nada tirei estando imundo, nem deles dei para a casa de algum morto; obedeci à voz do SENHOR, meu Deus; segundo tudo o que me ordenaste, tenho feito” (Deuteronômio 26:14)
Portanto, mais uma mentira dos líderes que ensinam sobre a obrigatoriedade dos dízimos é revelada, quando dizem que nos tempos bíblicos dízimos eram entregues em alimentos porque dinheiro ainda não existia, mas abraão e até moisés lidavam com dinheiro, e mesmo assim na obrigatoriedade da lei de moisés nunca se pagava dízimos em dinheiro, pois dízimo sempre foi a décima parte dos alimentos, do campo e animais, e nada tem a ver com a exigência de entrega de 10% do dinheiro que os cristãos recebem para esses líderes que ensinam erradamente sobre dízimos. Dízimo nunca foi pago em dinheiro, apenas em alimentos.
(Dê seu dizimo para realmente ajudar algum necessitado) ex: Idosos em asilos, moradores de rua, crianças com deficiência ou com cancêr, algum irmão, parente amigo em situação difícil isso é fazer a obra de Deus e não ficar sem 10% da sua renda dando para sua igreja procurando receber bens materiais e financeiros e estar pensando que está fazendo a Obra de Deus mas só está juntando tesouros na terra onde a traça e a ferrugem comem.)
Se o seu pastor ou líder insistir em dizer que pode ser pago em dinheiro exija que ele mostre alguém dizimando em dinheiro na bíblia, pois dinheiro já existia e era usado naquela época.
4º MENTIRA – “O DÍZIMO FOI DADO POR DEUS AOS LEVITAS DA VELHA ALIANÇA E HOJE OS PASTORES DA NOVA ALIANÇA SUBSTITUIRAM ESSES LEVITAS PORTANTO DEVEM RECEBER DÍZIMOS”
O dízimo foi dado aos levitas, mas para que eles fizessem todo o trabalho da tenda da congregação (Números 18:21-23). Se hoje os membros leigos fazem mais de 90 % do trabalho e os pastores recebem todo o dízimo isso não é biblico, é humano. Na igreja primitiva de atos, um levita, chamado josé de sobrenome barnabé dava ofertas ao invés de receber dízimos dos apóstolos e membros da igreja cristã: “José, a quem os apóstolos deram o sobrenome de Barnabé, que quer dizer filho de exortação, LEVITA, natural de Chipre, como tivesse um campo, vendendo-o, trouxe o preço e o depositou aos pés dos apóstolos” (atos 4:36-37) Portanto fica evidente que com a mudança do sacerdócio mudou a lei: “Pois, quando se muda o sacerdócio, necessariamente há também mudança de lei” (hebreus 7:12)
Na economia hebraica, o dízimo era usado de maneira totalmente diferente da que hoje é pregada. Mais uma vez, os levitas que recebiam o dízimo inteiro nem sequer eram ministros ou sacerdotes – eles eram apenas servos dos sacerdotes. Números 3 descreve os levitas como sendo carpinteiros, fundidores de metal, artesãos de couro e artistas, que mantinham o pequeno santuário. E 2Crônicas 23-27, durante o tempo dos reis Davi e Salomão, os levitas também foram peritos artesãos, os quais inspecionavam as obras do Templo. Vinte e quatro mil deles trabalhavam no Templo como construtores e supervisores; seis mil eram oficiais e juízes; quatro mil eram guardas e quatro mil eram músicos. Como representantes políticos do rei, os levitas usavam o seu dízimo para servir aos oficiais, juízes, coletores de impostos, tesoureiros, guardas do Templo, músicos, padeiros, cantores e soldados profissionais (1Crônicas 12:23,26; 27:5). É obvio que esses exemplos do uso bíblico da entrada do dízimo nunca se tornam exemplos para a igreja de hoje. É importante saber que na Antiga Aliança os dízimos nunca eram usados para evangelizar os não israelitas. Neste ponto o dízimo falhou. Vejam Hebreus 7:12-19. Os dízimos jamais estimularam os levitas e sacerdotes da Antiga Aliança a estabelecer uma única missão fora do país, para encorajar um só gentio a se tornar israelita (Êxodo 23:32; 34:12,15; Deuteronômio 7:2). O dízimo da Antiga Aliança era motivado e exigido por lei, não pelo amor. De fato, durante a maior parte da história de Israel, os profetas foram os principais portadores da Palavra de Deus e não os levitas e os sacerdotes que recebiam o dízimo.O falso ensino é que os anciãos e pastores da Nova Aliança estão simplesmente continuando de onde os sacerdotes da Antiga Aliança deixaram e por isso devem receber o dízimo. A função e o propósito dos sacerdotes da Antiga Aliança foram substituídos, não pelos anciãos e pastores, mas pelo sacerdócio de todos os crentes. Como outras ordenanças da Lei, o dízimo foi apenas uma sombra temporária, até a vinda de Cristo (Efésios 2:14-16; Colossenses 2:13-17; Hebreus 10:1). Na Nova Aliança cada crente é um sacerdote de Deus (1 Pedro 2:9-10; Apocalipse 1:6; 5:10). E como sacerdote cada crente oferece sacrifícios a Deus (Hebreus 4:16; 10:19-22; 13:15-16). Então, cada ordenança que havia sido previamente aplicada ao antigo sacerdócio foi anulada no Calvário. Visto não pertencer à Tribo de Levi, até mesmo Jesus Cristo foi desqualificado. Desse modo, o propósito original de dizimar já não existe (Hebreus 7:12-19; Gálatas 3:19, 24, 25; 2Coríntios 3:10).
Portanto, não há nenhum mandamento no novo mandamento do cristão entregar os dízimos aos pastores, pois o dízimo somente podia ser recebido pelos levitas: “Ora, os que dentre os filhos de Levi recebem o sacerdócio têm mandamento de recolher, de acordo com a lei, os dízimos do povo, ou seja, dos seus irmãos, embora tenham estes descendido de Abraão” (hebreus 7:5), e os levitas só existiam na velha aliança da lei de moisés, pastores não são substitutos deles pois são ministros de Deus (I Coríntios 4:1) e nem sequer é ordenado que se deva entregar dízimos em favor da obra de Deus, pois ela é sustentada pelas ofertas voluntárias (2Coríntios 9:7).
5º MENTIRA – “O DÍZIMO RECEBIDO É SOMENTE PARA USO DOS PASTORES”
Biblicamente, o dízimo pertencia aos levitas (números 18:21-23), mas também para se fazer um festival ao Senhor (deuteronômio.14:22-27) e a cada terceiro ano, para os levitas, órfãos, viúvas e estrangeiros, os quais comiam o dízimo ajuntado dentro das suas portas (deuteronômio14:28-29). Se ofertas e dízimos eram sagrados ao Senhor e não podiam ser comidos por pessoas comuns neste caso Deus abre um exceção, visto que para ele misericórdia é melhor que sacrificio (Oséias 6:6; Mateus 12:7), a vida dos carentes é preciosa ao senhor (veja um exemplo disso em Lucas 6:1-10)
Portanto mais uma vez, é biblicamente demonstrado que os dízimos recebidos pelos levitas não eram de uso exclusivo deles… os necessitados ( órfãos, viúvas e os de fora de israel ), também se beneficiavam dos dízimos dos alimentos recebidos pelos levitas. Essa conversa de que só os pastores e líderes religiosos podem hoje usufruir dos dízimos não encontra respaldo bíblico. Trata-se de mais uma doutrina de homem.
6º MENTIRA – “CRISTÃO QUE NÃO DÁ O DÍZIMO SERÁ VITIMA DO “DEVORADOR”
Se você é evangélico provavelmente já deve ter ouvido alguém falar a respeito do devorador. Muitas igrejas pregam a respeito desse ser. Mas o que os líderes religiosos gananciosos não fazem é mostrar aos membros que a admoestação de Malaquias é dirigida somente à nação de Israel, e não aos cristãos de hoje que não dizimam:
“Sentença pronunciada pelo Senhor CONTRA ISRAEL contra Israel, por intermédio de Malaquias” (Malaquias 1:1)
e, se destina especificamente, aos SACERDOTES CORRUPTOS:
“Agora, ó sacerdotes, para vós outros é este mandamento.Se o não ouvirdes e se não propuserdes no vosso coração dar honra ao meu nome, diz o SENHOR dos Exércitos, enviarei sobre vós a maldição e amaldiçoarei as vossas bênçãos; já as tenho amaldiçoado, porque vós não propondes isso no coração” ( Malaquias 2:1-2)
Eles estavam ofertando ANIMAIS coxos, cegos mudos, e defeituosos:
“Ofereceis sobre o meu altar pão imundo e ainda perguntais: Em que te havemos profanado? Nisto, que pensais: A mesa do SENHOR é desprezível. Quando trazeis animal cego para o sacrificardes, não é isso mal? E, quando trazeis o coxo ou o enfermo, não é isso mal? Ora, apresenta-o ao teu governador; acaso, terá ele agrado em ti e te será favorável? – diz o SENHOR dos Exércitos.” (Malaquias1:7-8)
Quanto a Malaquias 3, notamos que Deus manda trazer somente “DÍZIMOS” para as câmaras do depósito do templo, para que haja “comida” ( alimento, ou mantimento ) em minha casa. Isto é , mantimento = produtos alimentares (ver dicionário da língua portuguesa)
O texto mais famoso citado para falar a respeito do devorador é Malaquias 3:11, que diz: “Por vossa causa, repreenderei o devorador, para que não vos consuma o fruto da terra; a vossa vide no campo não será estéril, diz o SENHOR dos Exércitos.” Esse texto é a continuação de Malaquias 3:10, o tão famoso texto que fala a respeito de dízimos no Antigo Testamento. os líderes gananciosos dizem que o “devorador” mencionado nesse texto é um demônio que destrói as finanças daqueles que não dão os 10%, ou seja, que não são dizimistas. As pessoas que pregam nessa linha trazem ameaças de destruição financeira aos seus ouvintes se os mesmos não forem dizimistas fiéis.
O DEVORADOR É MESMO UM DEMÔNIO? A resposta é não! Os que afirmam que esse devorador citado no texto é um demônio, no mínimo, faltaram em algumas aulas de interpretação da Bíblia. A primeira coisa a sabermos é que no Antigo Testamento, a aliança que vigorava era uma aliança baseada na obediência. Se o povo fosse obediente às leis de Deus seriam abençoados. Essas bênçãos eram visivelmente mandadas em forma de paz e boas colheitas e prosperidade. Se fossem desobedientes, seriam amaldiçoados. Falta de paz e colheitas ruins estavam em vista aqui. (Deuteronômio 28). Em uma das ameaças de maldições em suas colheitas, que Deus manda ao povo através do profeta Joel, vemos que: “O que deixou o gafanhoto cortador, comeu-o o gafanhoto migrador; o que deixou o migrador, comeu-o o gafanhoto devorador; o que deixou o devorador, comeu-o o gafanhoto destruidor.” (Joel 1:4). Uma maldição que tinha em vista a destruição da lavoura.
O texto de Malaquias 3:11 diz a mesma coisa: “Por vossa causa, repreenderei o devorador, para que não vos consuma o fruto da terra; a vossa vide no campo não será estéril, diz o SENHOR dos Exércitos.”. Esse devorador certamente se tratava de um tipo de gafanhoto altamente destrutivo ou outro “bicho” que acabava com as plantações (que eram a base da economia do povo de Israel). A ação devastadora desse “ser” acabava com a prosperidade do povo em pouco tempo atacando suas lavouras. Quando o povo era obediente a Deus e cumpria a Sua lei, que no caso desse texto é a lei de dizimar, Deus abençoava suas colheitas e negócios. Esse é o sentido desse texto. Assim, não faz sentido usar esse texto para afirmar que o devorador era um demônio ou coisa parecida. Nem faz sentido ameaçar as pessoas hoje em dia com esse “devorador”
“repreenderei o devorador” Versículo 11 (Não é dinheiro que faz isto, é o próprio Deus)
Devorador, segundo a bíblia, nunca foi demônio, e sim, gafanhotos, que Deus enviava como pragas a terra para castigar o povo, e estes gafanhotos, Deus os chamavam de “O meu grande exercito” (Joel 2:22-27) …”repreenderei o devorador ” significa… espantarei a praga do meio da vossa plantação (gafanhotos), veja também Levítico 11:22 e Naum 3:16.
Os líderes gananciosos que ensinam que esses “devoradores” são demônios que irão causar doenças na família, o carro vai viver quebrando etc, aproveitam o desconhecimento dos cristãos do verdadeiro devorador ao qual Malaquias se refere, o gafanhoto que devorava as colheitas da nação de israel. Não há confirmação nenhuma no novo testamento de que quem não dizima será vitima desse “devorador”… quando um ladrão quer tomar o dinheiro de uma pessoa, ele a ameaça, pois se pedir provavelmente a vítima não entregará o seu dinheiro, e por conta disso o ladrão usa o recurso da ameaça, para forçá-la, da mesma forma agem esses pastores que insistem em receber dízimos pois usam um texto fora de seu real contexto para ameaçar dizendo que o mesmo “devorador” que viria sobre a nação de israel se não dizimasse virá para aqueles que não entregam seus dízimos a eles.Trata-se portanto de mais um ensino distorcido da bíblia para forçar os cristãos que não estudam a bíblia a dizimarem.
Hoje em dia, a classe mais pobre é a que mais contribui para beneficência. E, mesmo assim, ela permanece na pobreza. Os dízimos não são uma garantia para alguém enriquecer depressa, em vez da educação, da determinação e do árduo trabalho. Se Malaquias 3:10 funcionasse realmente com os cristãos da Nova Aliança, nesse caso milhões de cristãos dizimistas já teriam escapado da pobreza e se tornado o grupo mais rico do mundo, em vez de continuar sendo pobre. Portanto, não existe evidência alguma de que a vasta maioria dos pobres “pagadores do dízimo” tenha sido abençoada pelo mero fato de o entregar. As bênçãos da Antiga Aliança já não estão em efeito (Hebreus 7:18-19; 8:6-8,13).
Portanto, não há nenhuma possibilidade de um cristão ser vítima do “devorador” (demônio) por causa de não ser dizimista, pois nenhuma maldição da antiga aliança pode atingir aos cristãos da nova aliança em Jesus ( gálatas 3:13 )
7º MENTIRA – O DÍZIMO SERVE PARA MANTER A IGREJA FÍSICA HOJE, POIS ELA SUBSTITUIU O TEMPLO JUDAÍCO ONDE SE ENTREGAVAM OS DÍZIMOS.
Nada poderia estar mais longe da verdade. Trata-se de outro falso ensino os religiosos que exigem dízimos de que os edifícios chamados “igrejas”, “tabernáculos” ou “templos”, substituíram o Templo do Velho Testamento como locais de habitação divina.
A Palavra de Deus jamais descreve os grupos da Nova Aliança como ”tabernáculos”, “templos” ou “edifícios”. Os cristãos não “vão à igreja”. Eles se “reúnem para adorar”. Também, visto que os sacerdotes do Velho Testamento pagavam o dízimo, então, logicamente, o dízimo não pode continuar. Nesse caso, é errado chamar um edifício de “armazém do Senhor” para receber os dízimos (1 Coríntios 3:16-17; 6:19-20; Efésios 1:22-23; 2:21; 4:12-16; Apocalipse 3:12). Com respeito à palavra “armazém” comparem a 1 Coríntios 16:2 com a 2 Coríntios 12:14 e Atos 20:17, 32-35. Durante vários séculos após o Calvário, os cristãos nem mesmo possuíam um edifício próprio (que chamassem de armazém), visto como o Cristianismo era uma religião ilegal e sofria perseguições.
Após o sacrifício de Jesus, o véu do santuário se rasgou: “E o véu do santuário rasgou-se em duas partes, de alto a baixo” (Marcos 15:38) e hoje, cada cristão é um santuário onde habita o Espírito Santo: “Não sabeis que sois santuário de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?” (I Coríntios 3:16) Não há sequer um Templo ou santuário físico para que os cristãos levem os dízimos pois: “O Deus que fez o mundo e tudo o que nele existe, sendo ele Senhor do céu e da terra, não habita em santuários feitos por mãos humanas” (Atos 17:24). Jesus sequer fundou uma igreja física, pois a verdadeira igreja é espiritual.
1. Que autoridade nos dá a Palavra de Deus para estabelecermos igrejas denominacionais ou não denominacionais em meio ao testemunho cristão, quando as Escrituras condenam a criação de divisões entre os crentes? (1 Coríntios 1:10; 3:3; 11:18-19)
2. Com que autoridade vinda de Deus os cristãos denominam suas assim chamadas “igrejas” como Presbiteriana, Batista, Pentecostal, Aliança, Cristã Reformada, Anglicana etc., quando não há na Bíblia instruções para nos reunirmos em qualquer outro nome além do nome do Senhor Jesus Cristo? (Mateus 18:20; 1 Coríntios 5:4)
3. Será que existe qualquer base na Palavra de Deus para chamar esses edifícios de “igrejas”? A definição bíblica de “igreja” é de uma reunião de crentes que, pelo evangelho, foram chamados para fora, tanto dentre os judeus como dentre os gentios, e são unidos em um único corpo a Cristo, sua Cabeça no céu, pela habitação do Espírito Santo. (Atos 11:22; 15:14; 20:28; Romanos 16:5; 1 Coríntios 1:2; Efésios 5:25)
4. Onde há no Novo Testamento uma referência mandando os Cristãos construírem templos e chamarem esses locais de “Cada de Deus”, sendo que Deus não habita em templos feito por mãos humanas? (Atos 7:48 e 17:24).
Dizer que os dízimos são necessários para manter a igreja e sustentar os pastores e líderes não tem fundamentação bíblica neotestamentária, O apóstolo Paulo estava entre os que insistiam em trabalhar com as próprias mãos pelo seu sustento (Atos 18:3; 1Tessalonicenses 2:9-10; 2Tessalonicenses 3:8-14). Embora ele não tenha condenado os que recebiam sustento pela obra em tempo integral, também não ensinou que tal sustento fosse ordenado por Deus, para difusão do Evangelho. (1 Coríntios 9:12). De fato, duas vezes em Atos 20:29, 35 e também em 2 Coríntios 12:14, ele até mesmo encoraja os anciãos da igreja a trabalharem para manter os necessitados da igreja (Eu só queria ver um dos pastores atuais trabalhando para ajudar os pobres da igreja!).
Para Paulo, a expressão “viver do evangelho” significava “viver segundo os princípios da fé, do amor e da graça” (1 Coríntios 9:14). Conquanto verificasse ter “direito” a alguma ajuda, ele concluía que a “liberdade” de pregar o seu evangelho era mais importante, a fim de cumprir a sua vocação de Deus (1 Coríntios 9:15; 11:7-13; 12:13,14; 1 Tessalonicenses 2:5-6). Enquanto trabalhava como artesão de tendas (atos 18:3), Paulo aceitou uma certa ajuda, porém se gloriava de que o seu pagamento ou salário era o fato de poder pregar livremente, sem se tornar um fardo para os outros (1 Coríntios 9:16-19).
Em nenhum lugar desde Atos 7:58 (onde Paulo é mencionado pela primeira vez) até suas epístolas, não vemos o apóstolo Paulo orientando alguém a dizimar nem recebendo dízimos dos cristãos, portanto uma prova clara que a igreja primitiva não tinha o dízimo como uma doutrina cristã e inquestionável como se vê hoje nessas igrejas que dizem seguir fielmente as Escrituras.
Paulo deixou claro que os que pregavam o evangelho tinham todo o direito de serem supridos com as ajudas e doações voluntárias dos cristãos (I Coríntios 9:11 e 14, Filipenses 4:18 ), mas nunca disse que seria dos dízimos! Sequer há mandamento seja do Senhor Jesus ou de seus apóstolos dos cristãos entregarem seus dízimos nos “templos” que hoje conhecemos como igreja, pois Jesus nunca fundou uma igreja física, nem ordenou que se fizessem construções para ali os seus seguidores se reunirem! Se o dízimo fosse tão necessário e importante como esses líderes gananciosos querem fazer parecer, teria o apóstolo Paulo esquecido de mencionar algo tão importante? obviamente que não, pois ele é categórico ao dizer: ” jamais deixando de vos anunciar coisa alguma proveitosa e de vo-la ensinar publicamente e também de casa em casa” e ” porque jamais deixei de vos anunciar todo o desígnio de Deus” (atos 20:20 e 27)… ou seja, tudo que era necessário ele, Paulo, ensinou e o Apóstolo Paulo nunca incentivou ou ensinou os cristãos a dizimarem!
Portanto comprovadamente os dízimos não são obrigatórios serem entregues, muito menos nas igrejas físicas de hoje.
8º MENTIRA – “DAR OFERTAS, MESMO ACIMA DE 10% DA SUA RENDA, NÃO TEM O MESMO VALOR ESPIRITUAL, POIS QUEM NÃO DÁ O DÍZIMO ROUBA A DEUS E NÃO SERÁ SALVO POIS ESTÁ DEBAIXO DE MALDIÇÃO”
Tanto a bênção como a maldição de Malaquias 3:9-11, perduraram somente até o término da antiga Aliança, ou seja, até o Calvário. A audiência de Malaquias havia voluntariamente reafirmado a Antiga Aliança (Neemias 10:28-29. “Maldito aquele que não confirmar as palavras desta lei, não as cumprindo. E todo o povo dirá: Amém” (Deuteronômio 27:26, citado em Gálatas 3:10). E Jesus Cristo deu um fim a essa maldição, conforme Gálatas 3:13: “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro”. Portanto nenhuma maldição proveniente da não observância da lei de moisés (e o dízimo pertencia a ela) atinge aos cristãos. Mas os lideres gananciosos que recebem dízimos escondem isso dos membros.
Mas não é porque o Cristão não seja mais obrigado a dizimar que ele esteja isento de ajudar na propagação do evangelho e em favor dos necessitados pois: “Cada um contribua segundo tiver proposto no coração, não com tristeza ou por necessidade; porque Deus ama a quem dá com alegria” (2coríntios 9:7).
“Também, irmãos, vos fazemos conhecer a graça de Deus concedida às igrejas da Macedônia; porque, no meio de muita prova de tribulação, manifestaram abundância de alegria, e a profunda pobreza deles superabundou em grande riqueza da sua generosidade.Porque eles, testemunho eu, na medida de suas posses e mesmo acima delas, se mostraram voluntários” (2coríntios 8:1-3) Essa era a prática da igreja de Deus que Cristo estabeleceu.
Os princípios de dar no Novo Testamento, na 2Coríntios capítulos 8 e 9 são superiores ao dizimar, que não é obrigatório aos cristãos.
Os seguintes princípios de dar voluntariamente na Nova Aliança estão fundamentados na 2 Coríntios 8 e 9 (1). Dar é uma “graça”. A 2 Coríntios 8 usa oito vezes a palavra “graça”, referindo-se à ajuda aos santos pobres (2). Dar primeiro a Deus (8:5). (3) Dar-se a si mesmo para conhecer a vontade de Deus (8:5) (4) Dar em resposta ao dom de Cristo (8:9 e 9:15). (5) Dar com desejo sincero (8:8, 10, 12 e 9:7) (6) Não dar por causa de mandamento algum (8:8,10; 9:7). (7) Dar além de sua capacidade (8:3, 11, 12) (8) Dar para produzir igualdade. Isso quer dizer que os que têm mais devem dar mais, a fim de suprir a incapacidade dos que não podem dar mais (8:12,14) (9) Dar com alegria (8:2). (10) Dar porque está crescendo espiritualmente (8:3,4,7). (11) Dar porque deseja crescer espiritualmente (9:8, 10, 11). (12) Dar porque está ouvindo o Evangelho ser pregado (9:13).
9º MENTIRA – “JESUS MANDOU OS CRISTÃOS DAREM O DÍZIMO NO NOVO TESTAMENTO”
O falso ensino é que Jesus ensinou a dizimar, em Mateus 23:23, dizendo que isso está claro no Novo Testamento.
Em primeiro lugar, A Nova Aliança (o novo testamento) não teve princípio no nascimento de Jesus, mas na Sua morte (Gálatas 3:19, 24, 25; 4:4). O dízimo não é ensinado na igreja, depois do Calvário. Quando Jesus falou sobre o assunto em Mateus 23:23, Ele estava simplesmente ordenando a obediência às leis da Antiga Aliança, a qual ele endossou e obedeceu até chegar ao Calvário.
Não existe um único texto do Novo Testamento que ensine a dizimar após o período do Calvário. (Atos 2:42-47 e 4:32-35 não são exemplos para se dizimar, a fim de sustentar os líderes da igreja). Conforme Atos 2:46, os cristãos judeus continuavam a adorar no Templo. E conforme Atos 2:44 e 4:33,34, os líderes da igreja compartilhavam igualmente o que recebiam com todos os membros da igreja (o que hoje os líderes gananciosos que recebem dízimos não fazem).
Aliás, Jesus sequer é mencionado dizimando ou recebendo dízimos… e porque os líderes gananciosos pedem dízimos em nome de Jesus sendo que o próprio Jesus disse: “em meu nome, expelirão demônios; falarão novas línguas;pegarão em serpentes; e, se alguma coisa mortífera beberem, não lhes fará mal; se impuserem as mãos sobre enfermos, eles ficarão curados” (Marcos 16:17-18)… Ele nunca disse ” em meu nome receberão dízimos…”
Portanto comprovadamente mais uma mentira desses homens que se dizem ordenados por Deus a exigirem dízimos dos cristãos incautos foi desmascarada! Jesus nunca ordenou que os seus discípulos e futuros apóstolos recolhessem dízimos… e porque esses líderes acham que podem fazer diferente? Bem o Senhor Jesus profetizou sobre esses tipos: “Acautelai-vos dos falsos profetas, que se vos apresentam disfarçados em ovelhas, mas por dentro são lobos roubadores” (Mateus 7:15)
10º MENTIRA – “JESUS RECEBE DÍZIMOS DOS CRISTÃOS CONFORME HEBREUS 7:8″
O início do capítulo 7 de hebreus é apenas citação do Antigo Testamento, onde fala do sacerdócio de Melquisedeque. Em Hebreus 7:5 diz: ” E os que dentre os filhos de Levi receberam o sacerdócio tem ordem, segundo a lei, de tomar os dízimos do povo, isto é, de seus irmãos, ainda que tenham saído dos lombos de Abraão”
A lei foi dada por intermédio de Moisés, ao povo, direcionada aos filhos de Levi, especificamente aos que receberam sacerdócio para trabalhar nas tendas das congregações ( montagem e desmontagem de tendas no deserto), os quais tinham ordem, segundo a lei de receber os dízimos dos seus irmãos. Agora note o relato do versículo 11 e 12:
Hebreus 7:11: De sorte que, se a perfeição fosse pelo sacerdócio Levítico (porque sob ele o povo recebeu a lei), que necessidade se havia logo de que outro sacerdote se levantasse, segundo a ordem de Melquisedeque (referindo-se ao Salvador) e não fosse chamado segundo a ordem de Arão? (menção a Moisés, o qual introduziu a lei ao povo).
Hebreus 7:12: Porque mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança na lei.
Meditando no texto acima, especificamente nestes versículos, onde a palavra assegura que os sacerdotes Levíticos recebiam os dízimos segundo a lei (Hebreus 7:5), Porque através deles (sacerdotes Levíticos) o povo recebeu a lei (Hebreus 7:11) e mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também, mudança na lei (Hebreus 7:12), porque se a perfeição fosse pelo sacerdócio Levítico (pelo qual o povo recebeu a lei), qual a necessidade de que enviasse outro Sacerdote? Mudou o Sacerdócio, necessariamente se faz mudança na Lei.
A lei dos dízimos foI direcionada especificamente aos filhos de Levi, aos que receberam o sacerdócio e não havendo mais “Levitas”, nem “templo”, nem sacerdote a oferecer sacrifícios, pois O Salvador já o fez, logo,se aplicada aos crentes hoje, ela torna-se intempestiva e ilegítima, porque os “pastores” de hoje não são levitas nem foram proibidos de trabalhar, nem menos tiveram promessas de herança de dízimos para sustento por não ter tido herança nas distribução de terras prometidas ao povo israelita por herança.
Outra particularidade, no capítulo 18 do livro de Números, o Senhor Deus adverte aos sacerdotes levitas dizendo: Na sua terra, possessão nenhuma terás, e no meio deles nenhuma parte possuirás; eu sou a tua parte e a tua herança no meio dos filhos de Israel.
Gostaria de recomendar aos pregadores contemporâneos (os que querem se assemelhar aos sacerdotes levitas que recebiam dízimos), seria bom que guardassem os mandamentos do Senhor para aquela tribo, os quais não possuíam bens materiais, pois o Senhor era a herança dos sacerdotes levitas.
Recapitulando: Hebreus 7 apenas faz a menção pós-Calvário de dizimar, numa explanação de porque o sacerdócio levítico deve ser substituído pelo sacerdócio de Cristo, porque o sacerdócio levítico era fraco e ineficiente. Estude Hebreus 7 e sigam a progressão do versículo 5 ao versículo 12 e ao versículo 19.
Porém, líderes gananciosos insistem em apenas mostrar hebreus 7:8 aos membros, onde segundo eles, Jesus receberia dízimos dos cristãos: “Aliás, aqui são homens mortais os que recebem dízimos, porém ali, aquele de quem se testifica que vive” (hebreus 7:8)
Apenas mostrando esse versículo isoladamente aos membros desavisados, querem dar a entender que esse versículo manda os cristãos ainda dizimarem, sem ler todo o real contexto do capítulo 7 de hebreus.
Portanto hebreus 7:8 não fala de Jesus recebendo ainda dízimos dos cristãos, pois o contexto do capítulo 7 de hebreus fala na verdade da superioridade do sacerdócio de melquisedeque em relação ao levítico que era sustentado pelos dízimos. Cristãos não tem o mandamento bíblico de dizimarem.
Considerações finais:
Em Hebreus 7,8,9 e 10, neste 4 capítulos deixa bem claro a questão do sacerdócio perfeito, que, quando mudado o sacerdote Levítico, veio o Cristo, e mudando o sacerdócio se muda a lei ( Hebreus 7:12 ) portanto, notamos, que no novo testamento, não há ninguém dando dizimos em dinheiro, sendo que já existia, porque, Jesus foi traído por moedas, e a viúva ofertou moedas, mas dízimos, foi mencionado em alimentos, hortaliças ( Mateus 23.23 ) jamais em dinheiro, e o próprio Senhor Jesus, relatou que o dízimo era da lei para o povo de Israel , …”o mais importante DA LEI “. (Mateus 23:23)
Paulo não mencionou dízimos, nem outro apóstolo qualquer deixou exemplo de tal prática. Em Corintios 9, Paulo pede donativos para suprir necessitados e não para manter despesas de instituições religiosas. Em Atos 4:32 em diante, notamos a generosidade dos irmãos,vendendo tudo e depositando aos pés dos apóstolos, para que se fosse feita DISTRIBUIÇÃO AOS NECESSITADOS, de forma a não haver necessitados entre eles ( esta é a justiça que excede a dos fariseus religiosos que apenas punham seus dízimos das hortaliças e achavam que estava, cumprindo sua parte) em Mateus 23:23 e Lucas 18:12. Tal prática dos fariseus, mostra religiosidade e eles não praticavam a fé, de fato, que , quem diz que dizimar é um ato de fé, é engano, porque os fariseus dizimavam , mas não praticavam a fé. O jovem rico, não foi indicado por JESUS a dizimar, e sim, vender e REPARTIR com os pobres. Jó nunca dizimou, e mesmo assim era próspero.
Abraão só deu o dízimo uma só vez, e não foi em dinheiro, foi despojos, sobras de conquistas de guerra, dizimo de sangue, após matar os reis e tomar seus bens.
Jacó prometeu dar o dízimo, ( um voto particular dele ) em Gênesis 28:20-22 , mas a bíblia não fala que ele cumpriu…
Abraão não foi a “suposta” casa do tesouro ( igreja ) mas Melquisedeque lhe saiu ao encontro para receber sua parte, devido ser rei de Salém e receber por que passava em tal parte, imposto semelhante ao que Jesus nos ensinou a pagar a César (Mateus 22:21). Isto é, JESUS mandou sermos fiéis ao estado e não sonegar impostos.
Os cobradores de impostos ao se converter, restituíram 4 vezes mais aos que haviam defraudado, e foi nisto que Jesus afirmou: “hoje houve salvação nesta casa” (Lucas 19:9)Repare que o Salvador não o mandou dar dízimos.Todas as vezes que você quiser dar algo á Deus, e restituir a Deus com gratidão, faça isto dando ao seu próximo, pois assim,estará cumprindo a palavra na íntegra, conforme Mateus 25 deixa bem claro esta questão.
No sétimo ano, Israel, não trazia dízimos, devido ser o ano sabático,a terra descansava (Levítico 25:4) Mas e será que a igreja atual faz isto? Fica sem receber dizimos no sétimo ano?
O DÍZIMO era vendido POR DINHEIRO,devido a distância de levar onde o Senhor escolhera, para santificar seu nome, e o próprio dizimista COMIA DOS SEUS DÍZIMOS, administrava o dízimo, hoje em dia quem come dos dízimos são os pastores, que administram os dízimos, dando ordem quê e no que será empregado os dízimos do povo. Estes ditos “sacerdotes” ( pastores) não são levíticos, nem exercem função sacerdotal superior a qualquer irmão que seja, e muito menos têm eles o direito de administrar o dízimo pessoal de cada um.
Quanto a sacerdotes, sabemos todos nós somos, depois de Cristo nos fazer um sacerdócio real, nação santa , povo eleito de DEUS, passamos a ter livre acesso ao Pai através de CRISTO que , na sua morte, o que nos separava foi rasgado do alto abaixo, a saber o véu que separava o lugar santo,( local onde entravam os sacerdotes) do lugar santíssimo (onde só entrava o sumo sacerdote 1 vez por ano para pferecer acrificio pelo pecado do povo).
Paulo recebeu muitas vezes ajuda da igreja, mas era para se manter, e não era salário mensal como se estivesse numa empresa. Paulo trabalhava (atos 18:3) , e em nada pesava os irmãos e a igreja.
Se Paulo disse: “sede meus imitadores como eu sou de Cristo”, será que nesta parte, os pastores que exigem dízimos imitam à Paulo? Vemos Jesus ou Paulo recolhendo ou ensinando sobre dízimos?Em 2Coríntios 9:9, Paulo cita o salmo 112:9, onde fala da generosidade com os mais pobres: “Conforme está escrito: Espalhou, deu aos pobres; A sua justiça permanece para sempre”. (2 Coríntios 9:9)
Nada falou de dízimos em dinheiro, e sim, contribuições voluntárias , para “suprir” os que não tem, algo que, é totalmente visto por Deus. Paulo faz uma coleta para “DISTRIBUIR”, hoje em dia se faz uma distribuição (de envelopes) para ajuntar, não para os pobres, mas, para os cofres de uma instituição, que se preocupa mais com a posição social, status, templos, fama, nome, competição, horários de TV, rádios, sites, eventos, shows, viagens, lazer para líderes, carrões, mansões, aviões, e ainda se diz que é expansão da obra de Deus…
Cada dia os patrimônios religiosos estão ainda maiores, e o evangelho mais distante do que a igreja primitiva pregava e vivia, tudo por causa de dinheiro. A biblia fala para não reter e sim dar. Será que a igreja faz isto? Ou antes retém,para construir seu império e se fortalecer mais e mais, visando dominar a maior parte possível do globo terrestre, e arrebanhar o maior número de pessoas possível, como se tudo fosse uma partida de competição: “Quem tiver mais membros é o vencedor”
Paulo afirma: “Porque nós não estamos, como tantos outros, mercadejando a palavra de Deus; antes, em Cristo é que falamos na presença de Deus, com sinceridade e da parte do próprio Deus” (2Coríntios 2:17)
Deus abençoe a todos que leram este estudo e que o Espírito Santo tenha conduzido a leitura e o entendimento para compreender que dízimos não são mais obrigatórios.