sábado, 14 de outubro de 2017

Símbolos vikings e umbandistas: cópia ou coincidência?


Prof. Dr. Johnni Langer (UFPB/NEVE)

Há alguns anos circulam pela internet algumas indagações sobre a semelhança entre símbolos mágicos utilizados pelos vikings e os pontos riscados da Umbanda e suas possíveis conexões ou influências mútuas. Em parte isso se deve à crescente popularidade dos nórdicos pela mídia televisiva, mas também pela imensa difusão de tatuagens no mundo pop, como o símbolo de um vegvisir usado pela cantora islandesa Björk em um dos braços ou pelas bandas de viking metal. Vamos esclarecer alguns pontos sobre a área nórdica e em seguida algumas considerações sobre a Umbanda, para em seguida realizarmos algumas conclusões sobre o assunto.
A cantora Björk e sua tatuagem de vegvisir
Tatuagens com ægishjálmur
Tatuagens com ægishjálmur

Símbolos vikings e renascentistas:

Em primeiro lugar, ocorre uma certa confusão com o termo viking. Os grafismos simbólicos considerados hoje em dia como vikings foram retiradas de obras islandesas escritas durante o século XVI e XVII, muito depois da Era Viking. Alguns destes símbolos realmente são nativos, conhecidos durante o período das migrações germânicas até o final do século XI, como a suástica (também utilizada por diversos outros povos euroasiáticos e relacionada tanto a Odin quanto a Thor, vide Langer, 2017) e o Hrungnisjarta a partir do século VIII. Nas fontes medievais, a palavra viking surge relacionada a uma atividade temporária, geralmente náutica e predatória e em alguns casos possui certa identidade cultural, mas no imaginário contemporâneo ela acaba sendo sinônimo de nórdico em geral (Langer, 2018). Neste caso, a aplicação do termo viking aos símbolos islandeses é equivocada.

Os símbolos mágicos que nos interessam dos grimórios islandeses (grande manuais de práticas mágicas) são especialmente o vegvisír (um símbolo mágico utilizado para as pessoas encontrarem o caminho durante tempestades ou períodos nublados) e o ægishjálmur (utilizado para proteção e feitiçaria). Somente esse último foi registrado anteriormente pela literatura durante o período medieval, mas não se conhecem imagens preservadas dele antes do século XVI. Diversos pesquisadores questionam se ele realmente teria sido utilizado pelos guerreiros em seus elmos durante a Era Viking (750 a 1100 d.C.), sendo mais visto como uma figura puramente literária e mitológica (Foster, 2017). Neste sentido, não há como comprovar ou sequer referendar o uso da expressão símbolos vikings a esses dois grafismos dos grimórios.

Ægishjálmur, Galdrakver, Lbs. 143 8vo, Islândia, 1670.

O mais antigo dos grimórios islandeses foi o Galdrabók, datado de 1600, contendo diversos encantamentos e invocações a entidades cristãs, demônios e deuses nórdicos. O material rúnico contido neste manuscrito é percebido como uma expressão nórdica tardia de tradições mágicas mediterrânicas. Muitos símbolos são variações latinas de cruzes e de runas (Macleod e Mees, 2006).

O Ægishjálmur foi citado primeiramente no Fáfnismál 16, 17 e 19 (Codex Regius da Edda Poética). Neste poema éddico, o símbolo traria vitória a seu possuidor (segundo o dragão Fáfnir), e no mesmo poema, alude-se a pertencer ao tesouro de Sigurðr, de onde se deduz que estaria gravado em um elmo. Ao mesmo tempo, essa descrição de um objeto mágico na cabeça de Fáfnir tem relação com uma tradição européia que remonta aos gregos e que sobreviveu até o fim da Idade Média: de uma pedra que os dragões possuíam em suas cabeças (snakestone ou dracontite), utilizada para fins curativos; e por outro lado, com o olhar mortífero que este tipo de monstro teria (o “olhar de fogo”). Em algumas sagas islandesas, como Sverris saga 38, o símbolo também é citado como proteção nas batalhas.

Vegvísir, manuscrito Huld, p. 60, Geir Vigfússon, Islândia, 1860.

Para o pesquisador alemão Rudolf Simek (2007, p. 2) as características terríveis do Ægishjálmur foram originadas do classicismo, derivados do grego aigis (como o escudo de Zeus e a capa de Pallas Atenas). A palavra grega aigis pode ter se tornado elmo do terror na etimologia folclórica como resultado da similaridade fonética com o nórdicoœgr, terrível. E apesar da derivação etimológica, Ægishjálmur não teria relação com o gigante marinho Ægir.

Alguns especialistas traduzem Ægishjálmur como leme do pavor ou de Æegir, devido ao seu formato nos grimórios, um círculo formado de oito braços em forma de tridentes, assemelhando-se ao leme de roda das embarcações. O problema é que esse tipo de instrumento náutico só foi conhecido na Escandinávia a partir do século XIII: os vikings utilizavam um remo transversal como leme. Como Æegir era uma divindade relacionada ao mar, talvez os eruditos nórdicos do final do medievo tenham fundido a este folclore o tridente de Netuno, explicando a sua morfologia (ou mesmo o tridente do demônio, utilizado no imaginário cristão). De qualquer maneira, não há imagens deste símbolo anterior ao século XV, e não temos como provar que existiu entre os vikings. Segundo Macleod e Mees (2006, p. 252), o Ægishjálmur foi uma forma cruzada e adaptada do símbolotvímadr, presente no calendário rúnico do século XIII.

Sintetizando, a morfologia conhecida do Ægishjálmur possivelmente foi originada de uma confluência tardo medieval entre tradições clássicas e cristãs (o tridente), aplicada a caracteres não alfabéticos (o tvímadr), não tendo relação direta com a tradição rúnica antiga.

Os símbolos de Exu
A Umbanda possui diversas manifestações visuais sagradas conhecidas como pontos riscados, em especial o da Pomba gira Menina. Um círculo (considerado o universo da perfeição); um tridente (associado a Exu), hexagrama e triângulos entrelaçados - estes sendo associados a rituais (Sampaio e Gnerre, 2012). Segundo Solera (2014, p. 31), os sinais e símbolos umbandistas correspondem a várias tradições advindas de religiosidades e diferenciadas historicamente, como o Espiritismo, judaísmo, cristianismo e etnias indígenas e africanas.

O símbolo do tridente do Exu na Umbanda é uma apropriação derivada do sincretismo religioso moderno, não tendo uma origem puramente africana (Sodré, 2009, p. 5). O Exu é uma entidade Iorubárelacionada com a fertilidade, cujos simbolismos mais conhecidos são um porte fálico, cabaças e búzios. A Umbanda possui suas origens a partir de 1908, derivada essencialmente de diversas tradições brasileiras, indígenas e africanas. Devido a fortes perseguições e associações do Exu com a figura do diabo judaico-cristão, os adeptos da Umbanda (em uma forma de resistência cultural) passaram a adotar os simbolismos típicos da tradição medieval relacionada a Satã: este orixá passa a ser representado de cor vermelha, com chifres e tridente (a exemplo do Exu das sete encruzilhadas e Exu caveira). O tridente, deste modo, foi um símbolo derivado do imaginário judaico-cristão sobre a figura de Exu, mas que recebeu outros significados adaptados, como os diversos caminhos que o orixá percorre e domina (Sodré, 2009, p. 9 e 12).

 Ponto riscado Pomba Gira Menina; Ponto riscado Exu tranca gira.

Não existem pesquisas mais detalhadas ou profundas sobre a iconografia simbólica afro-brasileira. De nossa parte, realizamos alguns levantamentos historiográficos para detectar possíveis origens coloniais dos símbolos com tridente na religiosidade popular brasileira, mas não conseguimos nenhum resultado. Analisando Souza (1986) e Calainho (2008), percebemos que os símbolos adotados por escravos brasileiros durante o período colonial são influenciados pela forma de cruzes latinas, Sol, estrelas, serpentes, caveiras e flores, mas não existe nenhuma referência a tridentes ou qualquer similitude com os ponto riscado de Exu antes do século XIX, reforçando sua origem contemporânea.

Conclusão
De um ponto de vista histórico, os símbolos islandeses e os pontos riscados dedicados a Exu não possuem qualquer tipo de conexão, influência ou aproximação. Suas similitudes são apenas frutos de uma coincidência morfológica. Ambos parecem ter sido influenciados pelo imaginário cristão, que ressignificou tradições nativas de práticas mágicas com o referencial do tridente. Outras tradições religiosas que possuem símbolos circulares com terminais tridentiformes, como a ashtánga yantra da tradição shivaista, também foram relacionados ao Ægishjálmur – mas do mesmo modo alguns pesquisadores vem descartando essa similitude, considerando uma simples coincidência (Foster, 2017).

Explicações para as similitudes entre símbolos de culturas afastadas no tempo e no espaço são populares hoje em dia, geralmente apelando para referenciais como “emanações do inconsciente coletivo” ou produtos arquetípicos, mas não passam de especulações sem bases mais rigorosas de investigação. O medievalista francês Michel Pastoreau conclama para o perigo de anacronismo constante que ronda o historiador quando estuda o simbolismo e a fragilidade da análise universalista: “O que às vezes leva – erradamente – a crer na existência de uma simbólica transcultural, apoiada em arquétipos (...) no mundo dos símbolos, tudo é cultural e deve ser estudado em relação à sociedade que dele faz uso, em determinado momento de sua história e em um contexto preciso”. (Pastoreau, 2002, p. 507).

Comparações apressadas utilizando apenas a morfologia, sem um contexto histórico e social mais rigoroso, podem criar conclusões fantasiosas como as que relacionam conexões transcontinentais entre os povos pré-colombianos e os do Velho Mundo – utilizando simplesmente a coincidência do formato das pirâmides que existem entre ambos. Os símbolos mágicos constituem um terreno ainda repleto de possibilidades para pesquisas futuras, mas os referenciais generalistas e universalistas devem ser evitados pelas próximas gerações de pesquisadores.

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

O Olho Que Tudo Vê

No centro do nosso crânio, no local mais protegido do corpo humano, possuímos um órgão capaz de nos conectar com o mundo espiritual e com nossos mentores extrafísicos.
Esse órgão era conhecido pelos sacerdotes das escolas de mistérios do antigo Egito e por esse motivo seu símbolo se tornou o símbolo maior da escola de ocultismo da antiguidade e um arquétipo que ultrapassou os tempos.
O Olho de Hórus simboliza o olho da consciência que está sempre desperto. O olho da consciência é o terceiro olho. O olho que tudo vê e tudo sabe. Um pequeno órgão do tamanho de uma semente de laranja, mais conhecido como Glândula Pineal — a porta capaz de nos levar ao além, ao mundo invisível de Amém, o mundo de Osíris Maior — Lord Melquesedeque.
A glândula pineal é o órgão que produz os sonhos, as visões, as clarividências, as clariaudiências, as psicografias e os fenômenos metafísicos. O mesmo olho que recebe as inspirações do mundo espiritual, as canalizações, as intuições e possibilita os músicos, artistas, cantores, cientistas, médicos e inventores a trazerem o que existe no mundo espiritual para ser manifestado no mundo físico.
O mesmo órgão que transforma pensamento em desejo, desejo em intenção e intenção em vibração, para que os sonhos verdadeiros sejam enviados para o mundo abstrato de Amém e facilitando assim, que a Lei Universal da Atração conecte as pessoas através das suas semelhanças latentes.
Portanto, a glândula pineal é o órgão sensorial mais importante e incompreendido pela ciência. Os sumos sacerdotes egípcios sabiam do seu potencial, pois a utilizavam em larga escala para promoverem curas e acessarem os mundos interdimensionais de Órion e Sirius — as moradas maiores de nossos espíritos.
A pineal vibra através das verdadeiras intenções. E tudo se une através das vibrações semelhantes. Ou seja. O que temos dentro do nosso crânio é um fantástico mecanismo de comunicação interdimensional e telepático pronto para ser usado, porém esse órgão de extrema importância infelizmente foi mutilado durante muitos séculos através das mais diversas formas de magias na antiguidade, principalmente durante a Idade Média e os processos de inquisições, onde o objetivo era manipular e condicionar o povo ao medo e a doutrina religiosa.
Os governantes e o clero da época sabiam que através desse órgão, com a abertura do terceiro olho, as pessoas acessariam outros mundos e descobririam a tão temida verdade velada. A verdade que revelaria aos povos que Deus não é aquele velho sentado sobre as nuvens, maldoso e pronto para castigar os homens e mulheres pecadores. Revelaria também outra informação de grande importância — que o diabo nunca existiu.
Mas a ânsia pelo poder e pela manipulação das massas fez com que essa extraordinária ferramenta extrassensorial fosse atrofiada através de diversos mecanismos e condicionamentos emocionais, psíquicos e mentais. Infelizmente, após séculos, eles conseguiram o que queriam e a partir daí, com a população condicionada e hipnotizada pelo medo do mundo espiritual, construíram um mundo complemente submisso e refém das condutas impositoras do pecado original.
As pessoas se tornaram tementes a Deus e ao Diabo e acabaram se transformando em reféns do medo. Incrivelmente a humanidade não conseguiu reagir e vivemos até os dias atuais condicionados da mesma forma desde a Idade Média, acreditando que existe alguém lá em cima nos céus esperando um pecado de nossa parte para nos castigar duramente caso não sigamos as normas e doutrinas pré-estabelecidas pela sociedade.
Esse projeto de poder mental vem se arrastando até hoje depois de muitos séculos de guerras e mortes infundadas. Porém, agora é chegado o momento da libertação. A livre informação veio para trazer um alento aos seres humanos, pelo menos para aqueles que almejam descobrir a verdade que há tanto tempo está escondida e sendo manipulada por poucos. Essa verdade é a única verdade que poderá libertar você das garras da ignorância e da submissão.
Essa verdade é a sua verdade. Ela está trancada a sete chaves e somente uma pessoa pode acessar o que um dia foi trancafiado. A Era de Ouro está trazendo essa oportunidade de libertação. Não somente para alguns intelectuais elitizados ou escolhidos, mas sim para todos, para todos que não aceitam mais viver num mundo de mentiras e enganações e já decidiram que desejam viver num mundo de verdades e elevação.
Se você está com este livro em mãos até este momento, significa que é uma dessas pessoas que sente que o velho mundo de mentiras está definhando e um novo mundo de elevação está se formando.
Mas você deve estar se perguntando: Por que eu tenho que me esforçar tanto para viver nesse novo mundo se as grandes mudanças talvez demorem décadas para acontecer?
Esse é o ponto principal. O (a) verdadeiro (a) iniciado (a) não teme o tempo, ele (a) sabe que o investimento que se faz em si mesmo (a) sempre será o melhor investimento.
Principalmente aquele investimento imaterial que se faz para a própria consciência, pois mesmo ele (a) não podendo vivenciar as transformações que tanto almeja, no fundo, ele (a) sente e sabe que retornará em vidas futuras para usufruir, cooperar e auxiliar na implantação e na melhoria deste mundo. O (a) iniciado (a) é um (a) alquimista da alma e navega pelas rotas da eternidade. Todos navegam sem distinção, mas o que difere o (a) iniciado (a) do (a) não-iniciado (a) é a consciência, é estar consciente e lúcido (a) sobre seus defeitos e virtudes e conhecer seus propósitos de vida e existência espiritual.

Fonte: O Segredo

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Valiant Thor, o Venusiano

"A aterrissagem de Valiant Thor foi talvez a primeira aterrissagem documentada de um alienígena por militares. Ele se encontrou com o Presidente Eisenhower e Vice-presidente Richard Nixon durante uma hora, foi então considerado convidado VIP e levado de volta ao Pentágono." - Harley Byrd, Projeto Blue Book (Livro Azul), Força Aérea dos EUA.

Chegada à Terra

De acordo com o livro “Stranger at the Pentagon” (“Estranho no Pentágono” em tradução livre), de autoria do Dr. Frank E. Stranges, que trata do curioso caso do alien, Valiant Thor teria aterrissado no nosso planeta no dia 16 de março de 1957, pontualmente às 8h, em um campo de cultivo de Alexandria, na Virginia.
Dr. Frank E. Stranges
Segundo o livro, não demorou até a polícia aparecer no local do pouso e encontrar o extraterrestre — um indivíduo de aparência humana, com cerca de 1,85 metro de altura, perto de 85 quilos, olhos castanhos e cabelos ondulados — aguardando tranquilamente a chegada dos oficiais. No entanto, os policiais se depararam com um pedido peculiar: o sujeito exigia se encontrar com Dwight Eisenhower, o então Presidente dos EUA.

Valiant Thor foi levado até o Pentágono, onde teria passado por toda a segurança e conseguido acesso ao interior do complexo usando apenas a força do pensamento. Em um primeiro momento, ele teria sido escoltado somente por um comandante da Força Aérea — com quem se comunicou telepaticamente — e foi recebido pelo Secretário de Defesa norte-americano, Charles Erwin Wilson.
Dwight Eisenhower e Richard Nixon
Mais tarde, Valiant Thor teria sido recebido pelo vice-presidente, Richard Nixon, assim como pelos demais homens no comando dos EUA e, finalmente, levado à Casa Branca para se encontrar com Eisenhower em pessoa. Aliás, de acordo com os relatos, o alien não teria vindo até a Terra para fazer turismo interplanetário.

Após passarem pelo trem subterrâneo, enfim chegaram na Casa Branca, onde com 6 oficiais, 6 guardas e 3 agentes do serviço secreto foi escoltado até a sala do Presidente Eisenhower.

Eisenhower se levantou quando Val Thor estendeu suas mãos a ele, dando o sinal para os guardas abaixarem suas armas.

“Com certeza, você sabe que suspendemos todos os protocolos. Eu tenho um sentimento bom sobre você. Por favor, senhor, qual o seu nome? E de onde veio?”
, disse o Presidente.

“Eu venho de um planeta que sua Bíblia chama de Estrela Dalva ou Estrela da Manhã”, disse Val.
A convenção sobre OVNIs em 1957, na casa de Howard Menger.
O Presidente questionou se era Vênus, e após a confirmação perguntou se poderia ser provado, então Val Thor convidou o Presidente para ir até sua nave.

“Meu amigo, eu não posso sair e entrar quando quero. Há outros para serem considerados. Há comitês e medidas de seguranças que sigo. Por gentileza, fique mais tempo aqui conosco. Vamos nos conhecer melhor, e aprender mais sobre o outro. E quem sabe em breve podemos ver”, respondeu o Presidente.

Eis que o então vice-presidente Richard Nixon chegou com uma atitude honrosa e de forma acelerada até Valiant.

Val Thor se apresentou ao vice-presidente, sendo contestado de forma amigável:“O senhor causou um alvoroço! Claro que não estamos certo de nada ainda, mas estamos checando tudo o que disse. Quando o Sargento Young de Alexandria nos disse por rádio que o senhor havia aterrissado em uma nave, nós pensamos que ele estava louco”.

Após atestar que a Terra havia estado sob supervisão por centenas de anos antes da bomba de 1945, lhe foi pedido para seguir os agentes até o Pentágono e até o belíssimo apartamento, o qual ele passaria seus próximos 3 anos.

Não muito tempo desde a sua chegada, Valiant Thor junto com outros 3 membros de sua equipe se juntaram à uma ‘convenção sobre OVNIs’ no jardim da casa de Howard Menger em Nova Jersey, em Abril de 1957.
Em seu apartamento, Val conseguia manter contato com sua nave, sendo informado da crescente tensão do mundo.

Val portava um uniforme impenetrável, após vários testes, inclusive com tiros de rifle, o uniforme que pesava menos de 1kg, foi afirmado ser de origem desconhecida pelos avaliadores.

Muitos pormenores aconteceram durante esse período de 3 anos. O livro “Um Estranho no Pentágono” de Frank E. Stranges relata minuciosamente o ocorrido.

Frank, o autor do livro, indagou acerca do que pensava sobre Jesus, ele respondeu: “Eu sei que Jesus é o Alfa e Ômega de vocês. Ele hoje assumiu Sua posição merecida de Senhor do Universo, e está preparando um lugar e uma época para que todos que são chamados por Seu Nome, poderem ascender acima das nuvens onde Sua Força e Autoridade não será disputada. Eu acredito que Jesus Cristo é a maravilha das maravilhas e não muda nunca.”

Ao ser perguntado sobre a vida em outras orbes:

“Há formas de vida em muitos outros planetas que as pessoas na Terra não sabem nada sobre. Há mais sistemas solares os quais o homem nem ao menos deu a Deus o crédito. Há muitos seres que nunca transgrediram a perfeita Lei de Deus. O homem não tem o direito de condenar a criação de Deus, pois o próprio homem infligiu as Leis de Deus através da desobediência.”

Frank perguntou o que faria caso os militares não permitissem que ele partisse, e Val simplesmente disse:

“Frank, se lembra do dia em que Jesus se levantou dos mortos? Ele foi em busca de seus discípulos? Eles se trancaram em um quarto e de repente viram Jesus no meio deles.” Ele sorriu e perguntou: “Preciso dizer algo mais?”

Em sua última reunião com o Presidente, foi possível perceber que Eisenhower queira seguir o plano proposto por Val, mas a Secretaria de Defesa, a CIA e os Chefes de Estado eram opostos à sugestão.

Na manhã do dia 15 de Março de 1960, Val se encontrou com Nancy Warren, com quem trabalhara no Pentágono, e disse que ela continuaria a comunicação com outros para serem parte desse contato.

As naves que eles construiram naquela época continuam sendo vistas e são muitas vezes confundidas com OVNIs de outros planetas.

Val, que teria habilidades de se desmaterializar, no dia 16 de Março, assim o fez até uma área secreta aos arredores de Alexandria onde se encontrou com os membros de sua equipe em sua nave.

Missão intergaláctica
O suposto venusiano seria um dos mais altos comandantes de seu planeta e teria sido enviado à Terra por membros do Alto Conselho — responsável por manter a ordem na galáxia — para levar a cabo uma importante missão. A comunidade galáctica estaria muito preocupada com o crescente arsenal nuclear desenvolvido pelos terráqueos e com a possibilidade de que uma guerra nuclear acabasse acontecendo e resultasse na aniquilação da humanidade.
Valiant Thor, de perfil na imagem
Com esse probleminha para resolver, Valiant Thor teria passado três anos aqui no nosso planeta, em plena Guerra Fria, tentando convencer uma porção de gente graúda a não se meter em confusão e colaborando em diversos projetos secretos. Além disso, ele não estaria sozinho entre nós, e essa não seria a primeira vez que um ser extraterrestre vinha à Terra.

Será?

E como é que essa história toda foi ficar tão famosa? Afinal, como é que alguém pode acreditar nessa coisa de alien enviado por conselho intergaláctico ao nosso planeta e ficar de papo com o líder da nação mais poderosa do mundo? Acontece que existem fotos desse tal Valiant Thor. Várias delas. Algumas inclusive mostrariam o extraterrestre durante encontros com altos oficiais do governo norte-americano. E ninguém jamais veio a público para negar sua autenticidade.
Valiant Thor seria o homem na extremidade direita da foto acima
Frank E. Stranges, o cara que escreveu o livro sobre as aventuras de Valiant Thor na Terra, era um agente federal com acesso ao Pentágono e teria conhecido o venusiano pessoalmente. Além disso, os relatos de Stranges foram confirmados por inúmeros oficiais ligados ao governo, entre eles um homem chamado Harley Bird, sobrinho do almirante Richard E. Byrd, que trabalhou para o Departamento de Defesa na época em que o alien esteve no nosso planeta.
Valiant Thor
Outra pessoa que confirmou o relato foi um geólogo e engenheiro chamado Phil Schenider, que teria participado de vários projetos secretos do Governo dos EUA, como a construção de diversas bases militares subterrâneas, e trabalhado na famosa Área 51. Ademais, membros da família de Eisenhower, incluindo a neta do antigo presidente, Laura Eisenhower, também garantem que Valiant Thor era mesmo um extraterrestre e que sua história é verdadeira.



O Comandante Valiant Thor NÃO entregou ao governo americano nem a outro governo do planeta qualquer tecnologia que pudesse ser utilizada como arma de destruição ou militar; muito pelo contrario, ofereceram tecnologia que transformaria o planeta em um lugar pacifico e paradisíaco, em contra partida os governos deveriam abdicar de armas nucleares e cessar os conflitos bélicos entre si. Obviamente a proposta não foi aceita.
Laura Eisenhower, neta do presidente Dwight Eisenhower, garante que a história é verdadeira
Por outro lado, enquanto muita gente crê que Valiant Thor realmente foi um venusiano enviado à Terra em uma missão intergaláctica de paz e defende a veracidade da história, há quem acredite que esse papo todo não passa de um rumor espalhado pelos homens de Eisenhower para frear a escalada da Guerra Fria. 

Fontes:
Sempre Questione
To No Cosmos
Mega Curioso

terça-feira, 26 de setembro de 2017

Os Bastôes Secretos de Deus


Amados leitores, por minha lealdade a vocês, recebi a permissão da hierarquia cósmica e planetária para divulgar essa informação, que até agora estava ocultada do mundo exterior e era esotérica, motivo pelo qual essa determinada ativação de ascensão é chamada de "bastões ocultos de DEUS".
 
Basicamente eles são cetros, ou bastões, de amor, sabedoria e poder, reunidos num único bastão de luz, que é colocado cientificamente pelos mestres cósmicos no seu sistema dos doze corpos, na coluna dos chakras e/ou no campo áurico.
 
Cada um desses bastões pode ser de cor e tamanho diferente, de acordo com o exclusivo equilíbrio integrado crístico de que vocês necessitem, espiritual, psicológica e fisicamente. Os mestres afirmam que é muito importante que vocês sigam as instruções cuidadosamente, pois não se trata de uma brincadeira. O que estou dividindo com vocês é um voto sagrado entre nós e os mestres ascensionados cósmicos.
 
Para começar a receber esse bastão secreto de DEUS, invoquem o Senhor Maitreya, o Cristo planetário. Durante a meditação ou antes de dormir, peçam-lhe que ancore e ative em vocês o primeiro bastão secreto de DEUS, com o objetivo de tornarem-se Cristos integrados e acelerarem seu caminho de ascensão. Marquem no calendário a noite em que fizeram isso.
 
Cada pessoa receberá seu bastão exclusivo de DEUS, de acordo com seu equilíbrio espiritual, psicológico e físico, nível de evolução, estrutura de raio e missão espiritual. Se forem clarividentes, poderão ver o bastão sendo instalado. Se forem clariaudientes, poderão perguntar ao Senhor Maitreya sobre ele. Senão, podem senti-lo energeticamente em seu campo áurico. Esse bastão secreto de DEUS fortalecerá a sua aura, aumentará o quociente de amor, de sabedoria e de poder, irradiando-o para o seu campo áurico. Com o tempo, ele acabará por se integrar e se fundir com o seu sistema. Ele também ajudará a incrementar o seu quociente de luz. Melhorará a sua saúde física, aumentando a vitalidade geral.
 
Depois de três meses, passem para a segunda fase do programa de ancoragem dos bastões secretos de DEUS. Invoquem o Senhor Buda, o nosso Logos Planetário, e peçam-lhe que ancore o seu segundo bastão secreto, que os ajudará a tornarem-se um Buda totalmente integrado e acelerará o seu processo de iniciação e ascensão.
 
Marquem novamente a data no calendário e esperem três meses para que esse bastão secreto seja integrado ao seu sistema dos doze corpos.
 
Depois de três meses, invoquem Hélios e Vesta, nosso Logos Solar, pedindo-lhes que ancorem o terceiro bastão secreto de DEUS, com o objetivo de se tornarem um Cristo totalmente realizado e integrado, no nível mais elevado. Esperem mais três meses e invoquem Melquior, nosso Logos Galáctico. Peçam a ele que ancore o seu quarto bastão secreto de DEUS para atingirem a sua realização como Cristo integrado no nível mais alto. Dessa vez, segundo orientação dos mestres, esperem seis meses para que esse bastão secreto galáctico seja totalmente integrado. O bastão secreto galáctico é de frequência e vibração extremamente altas e é necessário mais tempo para ser absorvido. O excesso de bastões secretos no sistema ou a colocação de bastões de cores ou tamanhos inadequados pode até mesmo causar o desequilíbrio elétrico de todo o sistema. É por isso que vocês devem seguir minhas instruções e invocar os mestres designados aqui. Não tentem fazer isso sozinhos! Deixem que os mestres, com sua sabedoria e conhecimentos superiores da ciência dos bastões secretos decidam sobre a cor, o tamanho, a frequência e a localização desses cetros secretos. Esses bastões são extremamente poderosos e isso não é uma brincadeira. Trata-se de uma ciência espiritual exata e um segredo esotérico que está sendo oferecido pela primeira vez como um dom divino pelos mestres ascensionados cósmicos e planetários. Deixem que os mestres decidam como deve ser esse processo para que ele se afine com a configuração exclusiva de energia de cada um de vocês.
 
Depois de seis meses, invoquem sua santidade o Senhor Melquisedeque para ancorar e ativar o melhor bastão secreto universal para que vocês se tornem um "Melquisedeque/ Cristo/Buda integrado na Terra".
 
Marquem novamente a data no seu calendário e, depois de seis meses, peçam ao Arcanjo Metraton que ancore o bastão secreto seguinte mais adequado para que vocês realizem o seu mais elevado potencial crístico.
 
Esperem mais seis meses e peçam ao Mahatma que ancore seu "bastão secreto de síntese" para que se tornem um Cristo sintetizado e integrado no seu mais alto potencial.
 
Depois de mais seis meses, invoquem a energia combinada de Melquisedeque, do Mahatma e de Metraton para ancorar e ativar seus bastões secretos combinados, para acelerar a sua evolução espiritual e fazê-los se tornarem um Cristo integrado em seu potencial mais elevado.
 
Se for seguido à risca, esse programa deverá acelerar mil vezes a sua evolução espiritual. Ele lhes foi dado pela graça de DEUS e dos mestres ascensionados cósmicos e planetários, com grande amor e bênçãos.

Vampirismo Psiquico


Eles Estão Mais Próximos... do que se possa imaginar!!

Quando se fala em vampiros, a imagem que nos vem à cabeça é a do Conde Drácula; porém devem ter cuidado porque existe um tipo de vampiro, feito de carne e osso, que vive ao nosso lado. Eles são os “vampiros de energia”, pessoas que convivem diariamente conosco e podem fazer um grande estrago em nossas vidas. Como identifica-los? É fácil! Sabe quando você conversa com uma pessoa e, ao se afastar, sente-se cansado ou mal-humorado de repente e não consegue descobrir o porquê? Aposto que conhece alguém assim! Os vampiros de energia, na maioria das vezes, atuam inconscientemente, ou seja, suga a energia das suas vítimas sem saber. Isso ocorre porque eles não conseguem absorver energia de fontes naturais (cósmicas, telúricas, etc.), tão abundantes, e ficam desequilibradas energeticamente. Precisam então, encontrar outras fontes e as mais próximas são as pessoas.

VAMPIRO COBRADOR: Cobra sempre tudo e de todos. Quando nos encontramos com ele, logo vem a pergunta do porque não lhe telefonamos ou visitamos. Se você vestir a carapuça e se sentir culpado, abre as portas. Use a sua própria arma, ou seja, cobre de volta e pergunte porque ele não liga ou aparece. Deixe-o confuso, não permita que ele retruque e se retire rapidamente.

VAMPIRO CRÍTICO: É aquele que critica tudo e todos usando comentários destrutivos. A maledicência tende a criar á vítima, um estado de alma pesado e abrirá o seu sistema para que a energia seja sugada. Diga “não” às suas criticas. A vida não é assim. O melhor é cortar todo o tipo de contato com essas pessoas.

VAMPIRO ADULADOR: É o famoso engraxa. Adula o ego da vítima, cobrindo-a de elogios falsos. Muito cuidado para não dar ouvidos ao adulador, pois ele espera que o orgulho da vítima abra as portas da aura.

VAMPIRO RECLAMADOR: É o que reclama de tudo e de todos, da vida, do governo, do tempo… reivindicando e protestando sem parar. O mais engraçado é que nem sempre dispõe de argumentos sólidos para justificar os seus protestos. A melhor tática é deixá-lo falando sozinho.

VAMPIRO INQUISIDOR: Sua língua é uma metralhadora. Dispara perguntas sobre tudo e não dá tempo para responder. Na verdade, ele não quer respostas, e sim desestabilizar o equilíbrio mental da vítima, perturbando o seu fluxo normal de pensamentos. Para cortar o seu ataque, reaja fazendo-lhe uma pergunta pessoal, e tente afastar-se o mais rápido possível.

VAMPIRO LAMENTOSO: São os lamentosos profissionais, que choram as suas desgraças. Para sugar a energia da vítima, ataca pelos lados emocional e afetivo. Lamenta-se e faz de tudo para despertar a pena. É sempre o coitado, a vítima. Só há uma maneira de lidar com esse tipo de vampiro, é cortar as suas asas. Diga que não gosta de queixas, porque elas não resolvem as situações.

VAMPIRO PEGAJOSO: Investe contra as portas da sexualidade da vítima. Aproxima-se como se quisesse engoli-lo com os olhos. Se não escapar rápido, ele suga a sua energia, seja seduzindo-o com o seu jogo, seja provocando náuseas e repulsa. Em ambos os casos, você está desestabilizado e vulnerável. Invente uma desculpa e fuja rapidamente.

VAMPIRO GRILO FALANTE: Fala durante horas sem recuperar o fôlego e enquanto mantém a atenção da vítima, suga a sua energia vital. Para se livrar, invente uma desculpa, levante-se e vá embora.

VAMPIRO HIPOCONDRÍACO: Cada dia aparece com uma doença nova. Adora colecionar as caixas de remédios, sabe o nome de todos. Desse jeito, chama a atenção de todos, despertando preocupação e cuidados. Enquanto descreve os pormenores dos seus males e conta os seus infindáveis sofrimentos, rouba energia do seu ouvinte, que depois se sente péssimo. Deve afastar-se e contrapor.

VAMPIRO ENCRENQUEIRO: Para ele, o mundo é um campo de batalha, no qual as coisas só são resolvidas com a violência. Faz com que a vítima entre na sua briga, provocando nela um estado agressivo. Este é um método eficiente para desestabilizar a vítima e roubar-lhe energia. Procure manter a calma e corte laços com este tipo de pessoa.
Bem, agora já que conhece como os vampiros de energia agem, fuja deles o mais rápido possível. Mas não se esqueça de verificar se você, sem querer, não é um deles também, se por acaso o for tente mudar a sua postura em relação à vida e às pessoas.

DICAS PARA COMBATER O VAMPIRISMO:

1- Evite o contato físico com ele pois em geral o vampiro adora falar tocando, quase colado em você.

2- Não faça o jogo dele, não se envolva em discussões intermináveis e sem propósito.

3- Não fique muito tempo com ele numa sala, ou em qualquer ambiente fechado, tenha sempre mais pessoas perto.

4- Ande sempre com uma turmalina preta, pois esta pedra ajuda a bloquear a saída de energias.

5- Depois de um contato mais prolongado tome um banho de sal grosso.

6- Se for possível tome um banho no mar ou numa queda de água.

7- Faça sempre as suas orações e peça para a limpar espiritualmente, e peça pelo vampiro, para que ele encontre a paz, amor e a alegria.